Abatedouro do município de Pavão é interditado por irregularidades

abatedouro

Sem as mínimas condições de funcionamento, em relação às condições de trabalho e sanitárias, o Abatedouro Municipal de Pavão, cidade do Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais foi impedido, liminarmente, de funcionar.

Conforme determinação da justiça de Teófilo Otoni, é urgente a intervenção judicial para evitar a ocorrência de acidentes e contaminação biológica da carne dos animais abatidos no local, que, certamente é comercializada para a população”. A multa pelo descumprimento da decisão é de R$ 50 mil.
A Procuradora do Trabalho, Isabella Filgueiras Gomes, ressalta que o local era “caracterizado pela ausência de limpeza, exposição de resíduos orgânicos ao calor e sem vedação, armazenamento de ferramentas em locais inapropriados, instalações sanitárias sem asseio, condições estruturais danificadas, dentre outras mazelas”.

O matadouro municipal foi verificado mais de 52 infrações, no entanto, o prefeito Luciano Balarini Gonçalves, do (PRB) ignorou todas as recomendações sugeridas pelo Ministério Público do Trabalho (MTP) de Minas Gerais, um escárnio para com os trabalhadores.

Como de hábito, os frigoríficos, abatedouros, etc., sendo da iniciativa privada, bem como, o da prefeitura de Pavão, onde o prefeito, golpista do PRB, segue a mesma cartilha do presidente, golpista de plantão Michel Temer, que está acabando com todos os direitos conquistados pelos trabalhadores e aprovou, no ano de 2017 a reforma trabalhista, rasgando a consolidação das Leis do Trabalho (CLT), ou seja, instituindo o regime de escravidão, em pleno século vinte e um.

Somente a luta contra o golpe poderá impor uma derrota aos desmandos dos patrões e seus lacais, a exemplo do prefeito de Pavão, Minas Gerais.