Siga o DCO nas redes sociais

Governo fantoche
Abaixo o apoio do governo à agressão imperialista: fora Bolsonaro!
Posição de Bolsonaro está levando o Brasil a apoiar agressões do imperialismo e coloca em risco a economia nacional e a população brasileira.
trump bolsonaro
Governo fantoche
Abaixo o apoio do governo à agressão imperialista: fora Bolsonaro!
Posição de Bolsonaro está levando o Brasil a apoiar agressões do imperialismo e coloca em risco a economia nacional e a população brasileira.
Bolsonaro em visita a Trump. Imagem: EBC.
trump bolsonaro
Bolsonaro em visita a Trump. Imagem: EBC.

No último dia 5, o governo do Irã por meio de sua chancelaria no Brasil entrou em contato e convocou uma reunião com a encarregada de negócios da embaixada brasileira pedindo esclarecimentos sobre a nota emitida em apoio ao ataque dos Estados Unidos que culminou no assassinato do general iraniano Qassem Soleimani.

A nota emitida pelo governo Bolsonaro logo após o ataque classificou a ação criminosa dos EUA como um ato de combate ao terrorismo e afirma estar pronto para ajudar nessa missão. “O Governo brasileiro manifesta seu apoio à luta contra o flagelo do terrorismo e reitera que essa luta requer a cooperação de toda a comunidade internacional sem que se busque qualquer justificativa ou relativização para o terrorismo. O Brasil está igualmente pronto a participar de esforços internacionais que contribuam para evitar uma escalada de conflitos neste momento”, afirmou o Itamaraty.

A nota emitida pelo governo Bolsonaro é extremamente grave e pode inserir o Brasil em um conflito que não faz parte de nenhum interesse do Brasil, pelo contrário, pode levar a uma redução ou até paralisação das exportações brasileiras para o Irã. É importante lembrar que o Irã é um importante parceiro comercial do Brasil e está entre os 25 maiores parceiros comerciais, principalmente de produtos agrícolas.

Há ainda o risco de envolvimento no conflito que pode levar a atuação de grupos islâmicos no país, até pouco tempo atrás foi considerado como neutro nessas questões ou repudiando ataques do imperialismo a esses países do Oriente Médio.

O envolvimento do Brasil nesse conflito tende a se agravar ainda mais caso o País  venha a sediar, nos dias 5 e 6 de fevereiro, um encontro entre aliados militares do imperialismo dos EUA para debater a situação no Oriente Médio e no Golfo, ou seja, países que tradicionalmente cometem as maiores atrocidades nessa região vão se reunir no Brasil, com apoio do governo Bolsonaro para discutir o aprofundamento da situação.

Bolsonaro é um perigo para o Brasil e uma liderança política muito perigosa para todos os brasileiros. Sua postura de alinhamento completo com os interesses dos EUA está levando o Brasil a conflitos que somente interessam ao imperialismo, e quer usar os brasileiros como bucha de canhão em suas guerras por riquezas naturais.

A questão do Irã não é a primeira, pois Bolsonaro tentou de todas as maneiras jogar o brasil numa guerra contra a Venezuela, inclusive acusando o país de contaminar o litoral brasileiro com óleo, e está acobertando ações criminosas contra a Venezuela, como no caso dos militares que tentaram invadir um quartel e fugiram para o Brasil.

Outro caso foi as queimadas e desmatamento na Amazônia em que as atrocidades e declarações colocaram o país numa enorme crise e abriu as portas para uma intervenção estrangeira na região extremamente cobiçada e que o imperialismo só busca uma justificativa para tal ação.

Bolsonaro e sua política de transformar o país num lacaio do governo dos EUA e seus interesses é um enorme risco para os brasileiros, com a destruição da economia e no envolvimento da população nesses conflitos.

O Brasil não pode dar apoio e chancelar ações criminosas do imperialismo em outros países explorados que lutam pela sua soberania. É preciso barrar o apoio do governo brasileiro para essas ações. Este fato é mais uma evidência na qual não é possível conviver minimamente com Bolsonaro e outros golpistas no poder e é fundamental derrotar o governo e retirar o Brasil como uma marionete dos EUA.