Abaixo os governos golpistas!
Moreno está impondo uma ditadura no Equador, assim como Bolsonaro quer fazer no Brasil; o povo brasileiro deve impor sua vontade nas ruas, como os equatorianos estão fazendo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ecuador__1570139482 (1)
População organiza autodefesa contra a repressão no Equador. Foto: AP |

Lenín Moreno impôs uma ditadura militar no Equador, como única solução encontrada até agora pela burguesia equatoriana e o imperialismo para tentar conter a rebelião popular contra o governo traidor e suas medidas neoliberais.

Na semana passada, foi decretado o Estado de exceção, mediante o qual os militares ganharam um poder imenso ao se espalharem pelas ruas de todo o país. Também foi estabelecido o toque de recolher em Quito, no mesmo dia em que milhares de indígenas chegaram à cidade, e que o povo ocupou o parlamento nacional. Isso obrigou Moreno a fugir para Guayaquil.

Mais de mil pessoas foram feridas, outras cerca de quinhentas foram detidas e quase 20 foram assassinadas pelas forças de repressão, conforme as estatísticas mais confiáveis.

Para confrontar essa preparação de um banho de sangue, a população começou a utilizar instrumentos rudimentares de autodefesa, como paus, pedras e lanças. Esses instrumentos só são usados porque o povo, no Equador (assim como no Brasil), não tem o direito democrático ao armamento. Caso o contrário, é certo que utilizaria armas para se opor à repressão policial e militar.

Nessa segunda-feira, o governo equatoriano, acuado pelas massas, anunciou o fim do estado de exceção e do toque de recolher, bem como a derrogação do cancelamento dos subsídios estatais aos combustíveis – principal medida que gerou a revolta popular. No entanto, o que o povo quer é o Fora Moreno, e é preciso continuar e intensificar a mobilização.

O Equador serve como inspiração tanto para a direita como para a esquerda brasileira. Por parte da direita, a ditadura militar imposta por Moreno é exatamente o que Bolsonaro pretende implantar no Brasil, apenas não conseguiu acumular forças para isso. A burguesia não irá recuar e aceitar um governo democrático no País, pelo contrário: a tendência é um fechamento cada vez maior do regime, no caminho para uma ditadura fascista acabada, que destrua as organizações operárias e permita a total submissão do Brasil ao imperialismo.

A repressão que vemos no Brasil durante esse ano já é maior do que nos anos anteriores, mesmo no governo Temer. Bolsonaro já deixou claro, inúmeras vezes, com todas as suas apologias à ditadura militar, a Pinochet e a Stroessner, que irá implantar o terror contra a esquerda e o movimento popular.

Assim como o governo Moreno, os bolsonaristas além da repressão estão privatizando, sucateando e entregando todos os recursos e riquezas nacionais nas mãos do imperialismo, retirando todos os direitos da população.

E, assim como os equatorianos, os brasileiros também estão cada vez mais indignados. A palavra de ordem “Fora Bolsonaro” tem sido entoada cada vez mais e mais alto desde o início do ano. O povo já saiu às ruas em diversas oportunidades com a intenção de combater concretamente e derrubar o governo. É preciso que a esquerda organize essa insatisfação no mesmo rumo tomado pelo povo equatoriano: a luta radicalizada, de massas, nas ruas, colocando a direita para correr e enfrentando com sua autodefesa organizada as forças de repressão. Se Bolsonaro quer impor o terror contra o povo, o povo deve incendiar o Brasil com protestos em todo o território nacional exigindo a sua derrubada. Tal como os equatorianos lutam pelo Fora Moreno, os brasileiros devem realizar a exigência popular pelo Fora Bolsonaro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas