Abaixo a intervenção imperialista: porta-voz de Trump manda Brasil invadir Venezuela

d4dc928c255c2891223ebdf401b235863db5c8bd

Um dos principais estrategistas e porta-voz do governo Trump e do golpista Bolsonaro, o norte-americano Steve Bannon, concedeu entrevista nessa semana ao jornal Valor Econômico. Dentre os principais pontos discutidos por Bannon estava a defesa da intervenção militar brasileira na Venezuela. Antes de citar a situação venezuelana, Bannon afirmou que há “muito interesse e expectativa, principalmente em Wall Street, com as finanças no Brasil, com todo o governo Bolsonaro”. A declaração revela o apoio dos principais setores do imperialismo mundial ao governo Bolsonaro. Sobre a “expectativa”, Bannon cita, logo após, a “reforma” da Previdência, a qual vai extinguir na prática o direito à aposentadoria de milhões de trabalhadores brasileiros. Ou seja, os grandes capitalistas, os banqueiros internacionais esperam que o governo, fruto da fraude e do golpe, consiga aprovar a “reforma” da previdência nos marcos dos interesses imperialistas.

Sobre a situação na Venezuela, Bannon, durante a entrevista, descarrega toda o discurso cínico e farsesco da direita e da extrema-direita contra o governo Maduro, rotulando-o de “ditadura totalitária”, o qual teria levado a Venezuela a uma “crise humanitária”. Trata-se da velha demagogia barata da direita e da extrema direita internacional, bem como de seus capachos. O chavismo, o governo nacionalista venezuelano, desde o início dos anos 2000, é alvo de uma intensa campanha por parte dos países imperialistas, em especial os EUA, os quais utilizam da imprensa vendida do país, dos grupos fascistas no interior da Venezuela, para criar uma situação de desestabilização do governo. Tudo isso com um único objetivo: se apropriar das riquezas de um país pobre e atrasado da América do Sul.

Após a vitória eleitoral, com amplo apoio popular, de Nicolas Maduro, com quase 70% dos votos, o imperialismo partiu para uma política de tudo ou nada contra o governo, chegando, inclusive, a reconhecer como presidente um cidadão que não teve nenhum voto, Juan Guaidó da extrema-direita do país. Perguntado sobre a posição do Brasil e de seu pupilo Bolsonaro em relação a Venezuela, Bannon foi claro ao afirmar que o governo brasileiro deve se articular com outros governos capachos da América latina, como o governo colombiano e “enfrentar” a situação, traduzindo invadir o país.

Bannon revela-se então um verdadeiro fascista, apesar de toda a demagogia que tenta passar, afirmando ser um representante de um “movimento novo” na política internacional. Trata-se de um fascista, assim como Bolsonaro e toda sua corja. Todos eles não passam de verdadeiros cães raivosos à serviço dos interesses dos grandes monopólios, dos bancos, ou seja daqueles setores que detém o poder político e econômico no mundo hoje. Estão dispostos à realizar uma intervenção militar contra um país pobre da América do Sul, a troco de defender os interesses de uma classe capitalista parasitária.

É preciso repudiar e se colocar contra qualquer tentativa de provocação e intervenção contra a Venezuela. É necessário também desmascarar a demagogia barata da direita e da extrema-direita golpista e chamar os trabalhadores, a população pobre, os setores de esquerda dos países da América latina e de todos os países oprimidos a se mobilizarem em apoio ao povo venezuelano, contra o imperialismo norte-americano e europeu.