Abaixo a intervenção do Estado nos sindicatos

O governo se lançou a liquidar os sindicatos do ponto de vista jurídico. A estratégia é cortar todas as fontes de sustentação dos sindicatos. Agora o trabalhador precisa pagar a contribuição por boleto, não mais por desconto em folha, por exemplo.

Se continuar dessa maneira, os sindicatos vão acabar. Eles estão a ponto de entrar em colapso. Como os milhões de trabalhadores brasileiros vão lutar sem nenhum apoio do sindicato? Sem que o sindicato tenha nenhum recurso?

Quando Bolsonaro falou, em seu discurso de posse, em acabar com o socialismo, era isso, acabar com os sindicatos, acabar com as conquistas sociais e políticas da classe operária. É para chegar em um momento em que o trabalhador trabalhe 20h por dia.

Enquanto tudo isso acontece, existem diversos setores da esquerda que já apontam como saída as eleições de 2020. Mas se alguém ganhar alguma coisa, vai anular alguma medida dos golpistas? Uma vez que a burguesia faça, ela não vai permitir que nenhum governo desfaça.

A única maneira de parar esse tanque de guerra que está passando por cima do povo é derrubar o governo. Não dá para ficar com as lutas pontuais, defensivas, é preciso lutar de conjunto contra o regime, pela derrubada do governo. Todas as reivindicações precisam estar dirigidas para a derrubada do governo.

Nesse sentido é preciso de reivindicação positiva, ou seja, aquela que aponta como tal questão deve ser. Segundo, é preciso lutar por total autonomia dos sindicatos, o Estado não deve interferir em absolutamente nada nos sindicatos.