Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
CENSURA-JAMAIS-e1507364360470
|

Da redação – Evidenciando o avanço da extrema-direita contra o povo, a campanha feita por grupos como Movimento Brasil Livre (MBL), junto à vitória fraudulenta de Jair Bolsonaro (PSL) no último pleito, uma mãe de um estudante do Colégio de Aplicação Pedagógica da UEM, em Maringá, estimulou a censura do professor pelas redes sociais. A situação foi a seguinte: seu filho tirou uma foto do “quadro-negro” na aula de filosofia, onde o mesmo colocou a data de 1964 no ano que seria de 2018, em menção à vitória fraudulenta de Bolsonaro, que tem os militares por trás dele e no comando do país à dois anos.

Para os seguidores de Bolsonaro, a data de 1964, quando se iniciou a sanguinária Ditadura Militar contra o povo brasileiro, orquestrada pelos EUA, pelo Exército brasileiro, empresários, políticos e tantos outros setores, não passou de um “movimento”, de uma luta contra o “perigo vermelho”, contra os comunistas que queriam “comer criancinhas”. É esse o mundo da fantasia que a extrema-direita quer colocar nos livros de história, como bem disse um dos figurões do Alto Comando, que também está com Bolsonaro, à poucos dias.

Essa extrema-direita vem avançando contra os trabalhadores, alegando abertamente que vão caçar para extinguir os opositores como em 1964, defendendo a tortura dos que lutam contra o golpe e a destruição do país. Invadem sindicatos, espancam pessoas nas ruas, matam companheiros de luta no campo e na cidade, e depois, vem com essa falácia de que lutam contra a “doutrinação comunista”. O que a esquerda faz é escancarar ao povo a verdade dos regimes golpistas, direitistas, inimigos do povo trabalhador, que destroem direitos trabalhistas, aposentadoria, escravizando o povo enquanto entregam toda a economia aos capitalistas estrangeiros. Foi assim em 1964 e está sendo assim desde 2016.

 

Veja o post que segue as orientações da campanha de perseguição do MBL:

 

Em resposta a mais essa ação de grupos fascistas, a comunidade do Colégio de Aplicação Pedagógica da UEM, se pronunciou quanto à manifestação de intolerância e desrespeito à atividade docente, bem como, os alunos fizeram uma homenagem ao professor.

 

Segue o vídeo da homenagem:

 

Segue a nota oficial:


Maringá, 01 de novembro de 2018.

Carta aberta à comunidade CAP-UEM.

“Se quisermos dar uma contribuição para o bem da humanidade, teremos que trilhar, decididos, o caminho da Paz.”  ( Mahatma Gandhi)

No dia 30/10/2018 nos surpreendemos com a postagem em Facebook de uma situação envolvendo o CAP-UEM. Na postagem, uma mãe de aluno do CAP-UEM faz críticas de maneira ofensiva sobre a conduta de um de nossos professores da disciplina de Filosofia.  Na queixa pública, a mãe posta uma foto do quadro de giz, (tirada pelo seu filho em uma sala de aula do colégio), onde o professor havia registrado a data, substituindo o ano de 2018 pelo ano de 1964. A estratégia pedagógica foi empregada um dia após o resultado da eleição presidencial que conduziu, legitimado pelo voto, um militar da reserva à Presidência da República. O ano de 1964, para que se compreenda a analogia, inaugurou no passado, um período marcado pela sucessão de militares na presidência da república, e a história revela os caminhos tomados. O ano de 2018 revive, dessa vez pelo exercício do voto, essa experiência. Não há nenhuma inverdade nessa informação e não há motivos para que esse assunto não seja abordado em sala de aula, inclusive por estar contemplado nas Diretrizes Curriculares do Estado do Paraná. O fato e as inúmeras possibilidades de leitura desse fato correspondem a conteúdo escolar.

Cabe esclarecer a essa comunidade, que o professor envolvido na polêmica é um excelente profissional e que nos honra com seu trabalho no CAP-UEM desde 2013. Sua conduta sempre foi muito ética, responsável e denotou extremo comprometimento com a docência.  Destacamos ainda que a estratégia empregada pelo professor para suscitar a atenção de seus alunos adolescentes é bastante coerente e louvável. É desejável que diante de um público adolescente, o professor envolva os alunos com situações da atualidade, de tal modo que esses sejam estimulados a desvendar e compreender os diferentes fenômenos da realidade, dentre eles a realidade social.

Entendemos ser fundamental, para o bem de todos e da nação, independentemente das preferências ideológico partidárias, que ao término de um processo eleitoral, se acate democraticamente a decisão das urnas e que cada brasileiro contribua com seu trabalho e com suas ações, com o fortalecimento do equilíbrio e da harmonia social. Essa harmonia pressupõe inclusive, o respeito à divergência de opiniões e a defesa do direito à exposição dessas ideias, como prevê nossa carta constitucional.  Lastimamos que, findado esse processo se perpetuem os ataques em redes sociais justificados pela defesa de posições ideológicas extremadas que impedem o Brasil de seguir adiante. O professor envolvido na polêmica estava cumprindo seu papel social de ensinar, suscitar a reflexão e o debate.

É necessário lembrar que ao fotografar o quadro de giz, com a câmera do celular, o aluno descumpriu a lei nº 9233, publicada no Diário Oficial pela Casa Civil do Estado do Paraná em 25 de junho de 2014 que proíbe o uso do celular em sala de aula para fins não pedagógicos. Para além do descumprimento da lei, ao agir assim, o aluno assume uma postura desrespeitosa em relação ao professor, que não se apresenta em sala de aula como opositor, mas como um formador de seres humanos, possibilitando a eles o desenvolvimento da análise e reflexão. Acreditamos que o professor é uma figura de autoridade em relação ao conhecimento e que é desse modo que as famílias deveriam ensinar seus filhos a reconhecê-lo. O sucesso na educação de nossas crianças, adolescentes e jovens pressupõe união entre escola e família.

Diante do exposto, conclamamos essa comunidade que nos confiou a educação escolar de nossos alunos, a defender conosco o direito ao livre exercício do magistério, como previsto na Constituição Federal de 1988 e na LDB de 1996. De nossa parte continuaremos honrando nosso compromisso de transmitir aos nossos alunos conhecimentos pautados na ciência e na verdade. Caso algum pai, aluno ou familiar necessite de maiores esclarecimentos solicitamos que procurem a direção do colégio e estaremos, como sempre estivemos, abertos ao diálogo, às críticas e às sugestões.  

                                     
Equipe Diretiva, Equipe Pedagógica, Professores e Funcionários do Colégio de Aplicação Pedagógica da UEM

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas