Menu da Rede

Antônio Carlos Silva

Antônio Carlos Silva

Sobre o Toninho

Militante do Partido da Causa Operária (PCO) desde as suas origens. Membro do Comitê Central do Partido, secretário Sindical e coordenador da Corrente Nacional Sindical Causa Operária.

Professor do Ensino Público do Estado de São Paulo, atua na oposição da Apeoesp.

Foi candidato a diversos cargos pelo PCO em eleições regionais e nacionais, levando a propaganda revolucionária às grandes massas.

Participa do conselho editorial do Jornal Causa Operária, do qual é colunista.

Apresenta os programas Resumo do Dia e Resumo da Semana, na Causa Operária TV. Também é âncora do programa Comando de Greve.

Eleições Municipais

A vitória da direita, o “Joe Biden” brasileiro e o avanço do PCO

Armou-se um resultado no qual as principais máquinas políticas da burguesia (PSDB, DEM, MDB, PSD e sua "sublegendas") devem conquistar, pelo menos, 2/3 dos governos municipais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Escrevemos essa coluna há poucas horas do primeiro turno das eleições municipais

A campanha confirmou, no fundamental, toda a análise e os prognósticos que fizemos antes do início do processo eleitoral.

Foram, na sua organização e funcionamento do processo eleitoral, as eleições mais antidemocráticas, das últimas décadas, não só pela “base legal”, por serem as primeiras que ocorrem sobre a vigência da “reforma” eleitoral ultra reacionária, aprovada em 2017, logo após o golpe de Estado que derrubou a presidenta Dilma Rousseff (em 2016), além de outras normas antidemocráticas como a chamada “lei da ficha limpa” que, entre outras questões impuseram:

  • que 1/3 dos partidos devidamente registrados na justiça eleitoral não tivessem sequer um segundo de empo de propaganda eleitoral “gratuita” no rádio e na TV (dentre eles o PCO);
  • que 1/3 dos partidos com representação parlamentar no Congresso Nacional dispusessem apenas de segundos nessa mesma propaganda;
  • que partidos decadentes e tradicionais da direita (amplamente repudiados nas eleições anteriores) abocanhassem a maioria desse horário eleitoral, em uma política monopolista e casuística;
  • o indeferimento de inscrições e outras formas de “cassação”, sob as mais variadas formas, de cerca de 15 mil candidaturas, algumas delas às vésperas das eleições, com o judiciário golpista realizando uma “pré-seleção” de quem o povo poderia votar;

Além disso, a ditadura nas eleições a favor dos candidatos da direita impôs:

  • a proibição de quase todo tipo de atividades, inclusive da realização de atos de campanha pública propriamente como se deu em cidades como Salvador, Recife, Fortaleza e no estado do Amapá, claramente para impedir a mobilização de setores da esquerda;
  • a violenta manipulação e fraude das pesquisas eleitorais em favor não só dos candidatos da direita golpista que a burguesia e sua venal imprensa capitalista desejavam eleger como também dos candidatos da esquerda defensora da frente ampla com os golpistas, como no caso de Boulos, do PSOL – em São Paulo – e da ex-chefe de Polícia do governo Cabral e candidato do PDT no Rio de Janeiro, Martha Rocha.

Tirando proveito  do gigantesco genocídio promovido com a pandemia, na qual os governos da direita (e não apenas o de Bolsonaro) já levaram à morte quase 170 mil brasileiros, a burguesia golpista tratou de garantir uma eleição a toque de caixa, praticamente sem campanha, sem debates etc.

Não faltou, é claro, o show de cinismo dessa direita que, diante da situação de verdadeiro genocídio e caos econômico e social no País (mais de 50% de desemprego, inflação crescente, recorde de fome etc.), se dedicou à política ilusória de prometer dias melhores, quando sabem que a situação tende a piorar para a maioria do povo e quando preparam novos ataques para logo depois das eleições.

Para essa operação reacionária a direita, representante dos setores mais poderosos da burguesia nacional e do imperialismo, os verdadeiros pais do golpe de Estado, contaram com a prestimosa colaboração de setores da esquerda burguesa e pequeno burguesa defensora da frente ampla com essa direita contra o PT “lulista” e contra qualquer possibilidade de uma política própria, independente da esquerda, dos trabalhadores diante da situação. Esses setores usaram e abusaram da “imitação” da direita, com candidaturas reacionários – incluindo candidatos dos órgãos de repressão -, centenas de coligações com os partidos da direita e extrema direita (até mesmo com bolsonaristas), apresentação de promessas eleitorais descabidas, recebimento de financiamento de elementos da direita, apoio a candidatos de partidos burgueses (contra os candidatos de seus próprios partidos) etc. etc. etc.

Em tais condições, armou-se um resultado no qual as principais máquinas políticas da burguesia (PSDB, DEM, MDB, PSD e sua “sublegendas”) devem conquistar cerca de 80% das capitais e, pelo menos 2/3 dos governos municipais, visando também preparar uma nova etapa do golpe de Estado, com a retomada do poder político por este “centrão” em 2022, por meio de uma candidatura tipo “Joe Biden”, ou seja, de um genuíno representante da direita, apoiado pelos bancos e grandes monopólios, que seja apresentado como um “democrata”, um candidato do “bem” contra o “malvado” Bolsonaro.

Buscaram criar as bases para a política de buscar submeter todo o povo brasileiro aos planos da burguesia, “levantando a bola” de setores da esquerda que apoiam a frente ampla e mantendo o ataque ao ex-presidente Lula e aos setores a ele ligados no PT, e à toda esquerda classista. Ao mesmo tempo, em que impuseram um maior “controle” sobre o governo improvisado de Bolsonaro, do qual foram os verdadeiros pais.

Contra os ataques da direita e a política reacionária e capituladora da maioria da esquerda, o PCO – duramente atacado pela direita e pela esquerda frente amplista, fez uma campanha politicamente vitoriosa, erguendo em todo o País, uma verdadeira tribuna de luta pelas reivindicações populares diante da crise, opostas e irreconciliáveis, com os interesses da burguesia; denunciou o processo fraudulento e colocou como eixos centrais – para superar a defensiva geral da esquerda e das direções do movimento operário – a defesa da unidade em torno da luta pelo fora Bolsonaro e todos os golpistas, pela restituição dos direitos políticos de Lula e por sua candidatura presidencial, única capaz de unificar as organizações de luta dos explorados e tirar a esquerda da divisão e defensiva atuais.

Desta forma, manteve o crescimento de seu trabalho político, de sua militância de sua influência política entre parcelas importantes dos trabalhadores e da juventude.

Esta política vai além das eleições, representa uma perspectiva política real para os explorados diante da crise histórica do capitalismo, para o que é preciso – mais do que nunca – fortalecer o desenvolvimento em curso do PCO, principal embrião do partido operário, revolucionário e de massas, no Brasil.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.