Eleições Municipais
Armou-se um resultado no qual as principais máquinas políticas da burguesia (PSDB, DEM, MDB, PSD e sua “sublegendas”) devem conquistar, pelo menos, 2/3 dos governos municipais
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Doria e Maia
Dória (PSDB) e Maia (DEM): a burguesia golpista se rearticula para impor um "Biden" brasileiro | Foto: Reprodução

Escrevemos essa coluna há poucas horas do primeiro turno das eleições municipais

A campanha confirmou, no fundamental, toda a análise e os prognósticos que fizemos antes do início do processo eleitoral.

Foram, na sua organização e funcionamento do processo eleitoral, as eleições mais antidemocráticas, das últimas décadas, não só pela “base legal”, por serem as primeiras que ocorrem sobre a vigência da “reforma” eleitoral ultra reacionária, aprovada em 2017, logo após o golpe de Estado que derrubou a presidenta Dilma Rousseff (em 2016), além de outras normas antidemocráticas como a chamada “lei da ficha limpa” que, entre outras questões impuseram:

  • que 1/3 dos partidos devidamente registrados na justiça eleitoral não tivessem sequer um segundo de empo de propaganda eleitoral “gratuita” no rádio e na TV (dentre eles o PCO);
  • que 1/3 dos partidos com representação parlamentar no Congresso Nacional dispusessem apenas de segundos nessa mesma propaganda;
  • que partidos decadentes e tradicionais da direita (amplamente repudiados nas eleições anteriores) abocanhassem a maioria desse horário eleitoral, em uma política monopolista e casuística;
  • o indeferimento de inscrições e outras formas de “cassação”, sob as mais variadas formas, de cerca de 15 mil candidaturas, algumas delas às vésperas das eleições, com o judiciário golpista realizando uma “pré-seleção” de quem o povo poderia votar;

Além disso, a ditadura nas eleições a favor dos candidatos da direita impôs:

  • a proibição de quase todo tipo de atividades, inclusive da realização de atos de campanha pública propriamente como se deu em cidades como Salvador, Recife, Fortaleza e no estado do Amapá, claramente para impedir a mobilização de setores da esquerda;
  • a violenta manipulação e fraude das pesquisas eleitorais em favor não só dos candidatos da direita golpista que a burguesia e sua venal imprensa capitalista desejavam eleger como também dos candidatos da esquerda defensora da frente ampla com os golpistas, como no caso de Boulos, do PSOL – em São Paulo – e da ex-chefe de Polícia do governo Cabral e candidato do PDT no Rio de Janeiro, Martha Rocha.

Tirando proveito  do gigantesco genocídio promovido com a pandemia, na qual os governos da direita (e não apenas o de Bolsonaro) já levaram à morte quase 170 mil brasileiros, a burguesia golpista tratou de garantir uma eleição a toque de caixa, praticamente sem campanha, sem debates etc.

Não faltou, é claro, o show de cinismo dessa direita que, diante da situação de verdadeiro genocídio e caos econômico e social no País (mais de 50% de desemprego, inflação crescente, recorde de fome etc.), se dedicou à política ilusória de prometer dias melhores, quando sabem que a situação tende a piorar para a maioria do povo e quando preparam novos ataques para logo depois das eleições.

Para essa operação reacionária a direita, representante dos setores mais poderosos da burguesia nacional e do imperialismo, os verdadeiros pais do golpe de Estado, contaram com a prestimosa colaboração de setores da esquerda burguesa e pequeno burguesa defensora da frente ampla com essa direita contra o PT “lulista” e contra qualquer possibilidade de uma política própria, independente da esquerda, dos trabalhadores diante da situação. Esses setores usaram e abusaram da “imitação” da direita, com candidaturas reacionários – incluindo candidatos dos órgãos de repressão -, centenas de coligações com os partidos da direita e extrema direita (até mesmo com bolsonaristas), apresentação de promessas eleitorais descabidas, recebimento de financiamento de elementos da direita, apoio a candidatos de partidos burgueses (contra os candidatos de seus próprios partidos) etc. etc. etc.

Em tais condições, armou-se um resultado no qual as principais máquinas políticas da burguesia (PSDB, DEM, MDB, PSD e sua “sublegendas”) devem conquistar cerca de 80% das capitais e, pelo menos 2/3 dos governos municipais, visando também preparar uma nova etapa do golpe de Estado, com a retomada do poder político por este “centrão” em 2022, por meio de uma candidatura tipo “Joe Biden”, ou seja, de um genuíno representante da direita, apoiado pelos bancos e grandes monopólios, que seja apresentado como um “democrata”, um candidato do “bem” contra o “malvado” Bolsonaro.

Buscaram criar as bases para a política de buscar submeter todo o povo brasileiro aos planos da burguesia, “levantando a bola” de setores da esquerda que apoiam a frente ampla e mantendo o ataque ao ex-presidente Lula e aos setores a ele ligados no PT, e à toda esquerda classista. Ao mesmo tempo, em que impuseram um maior “controle” sobre o governo improvisado de Bolsonaro, do qual foram os verdadeiros pais.

Contra os ataques da direita e a política reacionária e capituladora da maioria da esquerda, o PCO – duramente atacado pela direita e pela esquerda frente amplista, fez uma campanha politicamente vitoriosa, erguendo em todo o País, uma verdadeira tribuna de luta pelas reivindicações populares diante da crise, opostas e irreconciliáveis, com os interesses da burguesia; denunciou o processo fraudulento e colocou como eixos centrais – para superar a defensiva geral da esquerda e das direções do movimento operário – a defesa da unidade em torno da luta pelo fora Bolsonaro e todos os golpistas, pela restituição dos direitos políticos de Lula e por sua candidatura presidencial, única capaz de unificar as organizações de luta dos explorados e tirar a esquerda da divisão e defensiva atuais.

Desta forma, manteve o crescimento de seu trabalho político, de sua militância de sua influência política entre parcelas importantes dos trabalhadores e da juventude.

Esta política vai além das eleições, representa uma perspectiva política real para os explorados diante da crise histórica do capitalismo, para o que é preciso – mais do que nunca – fortalecer o desenvolvimento em curso do PCO, principal embrião do partido operário, revolucionário e de massas, no Brasil.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas