Reino Unido
A demora por uma vacina britânica demonstra o fracasso do imperialismo no combate à pandemia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
vacina-covid
Teste de vacina para COVID-19 | Foto: Reprodução

O ministro da Saúde do Reino Unido, Matt Hancock, considerou improvável que a chamada vacina Oxford contra Covid-19 pudesse começar a ser aplicada nas próximas semanas, como assegurou um jornal britânico.

Preparar-se para a sua aplicação e realmente ter o produto são duas coisas diferentes, garantiu o responsável à rede BBC, após ser questionado sobre a notícia publicada esta segunda-feira pelo tabloide The Sun.

De acordo com o tabloide, os gerentes de um dos principais hospitais de Londres foram instruídos a se preparar para receber os primeiros lotes da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela empresa farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca já na próxima semana.

Na opinião de Hancock, embora os testes com a vacina candidata ‘estejam progredindo bem’, esse ponto ainda não foi alcançado.

Queremos estar prontos caso tudo corra bem, mas acho que não podemos fazer isso este ano, frisou.

A vacina Oxford, como é popularmente conhecida, encontra-se na fase III dos ensaios clínicos, a última antes de receber a aprovação dos órgãos reguladores de saúde para sua aplicação massiva.

Dois incidentes relacionados a testes clínicos em humanos foram relatados até agora: um voluntário britânico que desenvolveu efeitos colaterais e a morte de um participante do programa no Brasil, mas em ambos os casos os testes foram retomados após uma breve pausa para investigação sobre o que aconteceu.

O jornal britânico Financial Times também noticiou nesta segunda-feira que a vacina Oxford gera uma forte resposta entre as pessoas com mais de 55 anos, considerada a faixa etária de maior risco contra a doença causada pelo coronavírus SARS-CoV-2.

De acordo com o rastreador de vacinas do jornal The New York Times, no momento estão sendo realizados ensaios clínicos em humanos de 48 vacinas candidatas, sendo 12 delas em fase III, mas acredita-se que nenhum antídoto contra Covid-19 seria disponível até o início do próximo ano.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas