Farsa
É necessária a intervenção das organizações populares, que devem assumir o controle da vacnação
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
vacina-johnson
A vacinação é mais propaganda barata do que realidade | Foto: Reprodução

A campanha demagógica – e ao mesmo tempo criminosa – que alguns governadores, prefeitos e outros ocupantes de cargos públicos vêm fazendo para propagandear a chegada da vacina ao país, não resistiu mais do que umas poucas semanas, não obstante todo o alarido da imprensa reacionária e golpista, que vem se esforçando – sem muito sucesso – para convencer a população da ideia (falsa e abjeta) de que o país está “indo bem” no que diz respeito à vacinação, e às medidas sanitárias para superar a crise provocada pela pandemia em todo o território nacional.

A verdade, que sempre vem à tona e desmente categoricamente os inimigos do povo, mais uma vez mostrou sua cara, desmascarando a pilantragem oficial dos políticos burgueses. Neste momento, o Brasil atravessa uma situação de verdadeiro descalabro sócio-sanitário, onde já se contabiliza mais de 237 mil mortos pela covid-19, registrando também a assustadora marca de quase 10 milhões de pessoas infectadas.

Neste cenário macabro e de horror, que parece estar ainda muito longe do fim, o país não só não tem um  plano de vacinação consistente, como nem mesmo temos o imunizante, a própria vacina. É o que revela a situação em ao menos sete capitais e algumas outras cidades, que já anunciaram a interrupção da vacinação, pois já não há mais estoque ou os mesmos estão muito próximos do fim.

O fato que não pode ser ocultado é que o Brasil está à deriva nas ações de controle e combate à epidemia do coronavírus, quadro este agravado pela disseminação da nova cepa, da mutação do vírus, que já se espalha pelas mais diversas regiões e estados. As poucas doses do imunizante desembarcadas no país mal serviram para a campanha demagógica de prefeitos e governadores, que não perderam tempo em tirar uma “casquinha”, mesmo diante da dor e do sofrimento da maioria da população.

O resultado de toda essa negligência e irresponsabilidade oficial das autoridades federais, estaduais e municipais é que o país entrou na rota do salve-se quem puder, com as secretarias de saúde dos estados buscando alternativas próprias para adquirir a vacina, pois de acordo com o “plano” do Ministério da Saúde (que não tem plano nenhum), as próximas doses somente deverão chegar ao país no dia 23 de fevereiro, e outras somente no mês de março.

Em alguns estados, nem mesmo os profissionais da saúde que atuam na linha de frente do combate à pandemia foram vacinados, o que dificulta ainda mais o trabalho de imunização da população, que está,  mais uma vez, abandonada à própria sorte, exposta à contaminação e à morte.

A superação de todo este quadro trágico e catastrófico exige a intervenção das organizações populares, que devem assumir o controle da campanha, retirando das mãos da burguesia e dos seus representantes, a exploração política de um direito elementar da população.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas
Send this to a friend