Frente ampla
Em entrevista à Folha de S.Paulo, Marcelo Freixo volta a defender a aliança com os inimigos do povo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
coronavirus
Presidente da Câmara Rodrigo Maia. Foto: Najara Araújo/Câmara dos Deputados |

Em entrevista publicada pelo jornal golpista Folha de S.Paulo no dia 22 de maio, o deputado federal Marcelo Freixo veio a público novamente defender a chamada frente ampla — isto é, a aliança entre organizações da esquerda e a burguesia. Durante a entrevista, o deputado declarou:

Diante dessa constatação sombria, o campo democrático precisa estar à altura do desafio e ser capaz de abrir mão dos projetos pessoais e partidários, superar as diferenças e se unir na defesa de algo maior: a vida, os direitos e a democracia, ameaçados pela dupla tragédia do fascismo e da pandemia.

Não precisamos de um grande líder para derrotar Bolsonaro. Necessitamos de um grande projeto de reconstrução nacional, que abra espaço a todas as nossas lideranças e seja capaz de superar o projeto autoritário bolsonarista.

Antes de entrar propriamente na discussão da frente ampla, é preciso situar a entrevista. No momento, Marcelo Freixo tem aparecido com frequência na imprensa burguesa e na imprensa dita progressista por ter aberto mão de sua candidatura no Rio de Janeiro. O motivo de sua desistência teria sido o fato de que não conseguiu obter uma “unidade” para a sua candidatura. Fundamentalmente, os oponentes a essa unidade seriam partidos como o PCdoB e o PSB, que possuem um vasto histórico de alianças com a direita. No momento, espera-se que esses partidos forcem um apoio a um candidato ainda mais direitista que o próprio Marcelo Freixo, propondo uma frente da esquerda com políticos como Eduardo Paes (DEM).

É nesses termos que deve ser compreendido o problema a frente ampla. Em abstrato, abrir mão de projetos pessoais pode parecer um ato nobre para contribuir com a luta contra o fascismo. A perspectiva de uma frente em que o grande objetivo seja o de se livrar de um governo inimigo do povo, admirador de torturadores, parece correta. No entanto, concretamente, não é esse o debate que está colocado.

Quando Marcelo Freixo fala em abrir mão de interesses partidários, é preciso entender que isso revela muito mais do que possíveis diferenças entre partidos. Afinal de contas, entre o Partido dos Trabalhadores (PT) e o PSOL (Partido Socialismo e Liberdade) há diferenças enormes, e isso se reflete em seu programa e na sua atuação. Contudo, se ambos priorizassem a luta política pela derrubada do governo Bolsonaro, seria um ganho para ambos, uma vez que há uma série de interesses em comum: ambos se dizem contra a reforma trabalhista, contra a reforma da Previdência, contra as privatizações, contra a perseguição aos movimentos sociais, a favor de algumas políticas sociais etc. Por outro lado, se o PT entrar em uma aliança com um partido como DEM, conforme poderá acontecer no Rio de Janeiro, o ganho será de apenas um lado.

Isso porque não há absolutamente interesse algum em comum entre a esquerda e a burguesia, de quem o DEM é representante. E como representante da burguesia, o DEM defende todas as pautas mencionadas acima — não só é a favor, como atuou diretamente para que elas fossem levadas adiante. Neste sentido, se o DEM estiver interessado em lutar contra o governo Bolsonaro, o que estará em jogo não é a “luta contra o fascismo”, mas sim o interesse de assumir o lugar de Bolsonaro como elemento regente do regime político. E com a direita no poder, não há vitória contra o fascismo. Haverá apenas uma reorganização do regime para que a burguesia possa atacar novamente da maneira mais dura possível os trabalhadores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas