A direita agradece
Enquanto o ex-candidato presidencial do PSOL chamava a acatar a ordem ilegal da justiça tucana, FHC, Ciro e Marina davam na Globo a verdadeira orientação política da frente ampla
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Ciro e Boulos
Aliado de Ciro, FHC e da Globo e co-autor do Manifesto "fica Bolsonaro", Boulos dividiu mobilização | Foto: Reprodução

Com apoio da imprensa capitalista, do judiciário golpista e da PM do governo Dória, Guilherme Boulos, ex-candidato presidencial do Psol e dirigente do MTST, liderou a aceitação da arbitrária e ilegal decisão judicial de tentar proibir a manifestação contra o governo  na Avenida Paulista, no domingo dia 7 de junho.

É decisivo destacar que Boulos participou desse “acordo” de se submeter à decisão ilegal sem nenhuma legitimidade, uma vez que não foi responsável pela organização ou convocação de nenhum ato contra o governo anteriormente (o que foi feito pelas torcidas organizadas, pelo PCO e Comitês de Luta).

Destaca-se ainda que, nos dias em que as manifestações do dia 31 de junho, no MASP, em São Paulo, e em outras capitais (que não foram as primeiras) ganharam as ruas, o “psolista” (que ingressou no Psol para ser candidato presidencial) ocupa-se em divulgar um Manifesto, junto com FHC, a Rede Globo e outros setores golpistas, que nem cita Bolsonaro e não defende nenhuma mobilização contra o governo (leia nesta edição à respeito disso).

No domingo, dia 7, ficou explícito os reais objetivos do “acordo” e também do Manifesto. Enquanto Boulos e outros setores direitistas da esquerda, como o PCdoB, agiam para desviar o ato da Paulista, e – pelo serviço prestado – recebia elogios e espaços da PM, da Folha de S.Paulo, Estadão, Rede Globo e todos os golpistas, os verdadeiros chefes da frente ampla davam entrevista a Miriam Leitão, na “Rede Golpe”, que o Portal G1 divulgava sobre o sugestivo título de “FHC, Ciro Gomes e Marina Silva falam em frente ampla para proteger a democracia“.

Assim se busca fechar um cerco que foi rompido pela mobilização. Um cerco contra o “Fora Bolsonaro””

Bolsonaro e os militares ameaçam com um golpe militar, com colocar a Força de Segurança Nacional nas ruas; o judiciário “legaliza”o absurdo inconstitucional de cassar a liberdade de manifestação; Dória coloca a tropa de choque nas ruas, a PM das chacinas de Paraisópolis e tantas outras; Boulos e cia. aceitam o “acordo” pelas costas dos que constroem a mobilização para tirar o ato da Avenida Paulista e os pais de Bolsonaro (golpistas e Ciro Gomes) vão à TV tentar faturar e orientar politicamente a frente ampla.

Assim, no domingo (7/6), em São Paulo, manifestantes de partidos, movimentos e torcidas organizadas foram vítimas de uma armadilha política, depois de terem tomados as ruas no último 31 de maio e varrido da Avenida Paulista os manifestantes fascistas. A frente ampla – com o papel decisivo de Boulos – operou uma manobra, permitindo que a direita se manifestasse livremente em frente à FIESP (patrocinadora oficial do golpe de Estado), enquanto parte da esquerda era reprimida na esquina da Paulista com a Consolação e outra parte era reprimida quando queria seguir do Largo da Batata, a “Bololândia”, para a Paulista.

A direita e sua querida frente ampla tentou, sem sucesso, impedir uma segunda derrota na Avenida Paulista, conter a mobilização pelo “Fora Bolsonaro”. Foram derrotados.

Primeiro, pela mobilização de centenas de pessoas na Avenida Paulista pelo “Fora Bolsonaro”, mostrada por este Diário, e até mesmo mostraram que era possível fazer uma grande mobilização no coração da cidade e não uma mobilização menor no lugar permitido pela direita e “escolhido” por Boulos.

Segundo, pelo grande número de mobilizações em mais de 20 capitais – a maior delas em Brasília, onde não havia Boulos para propor que o movimento deveria “arregar” diante das ameaças de Bolsonaro de colocar a Força de Segurança Nacional e o Exército nas ruas e transferir o ato para “Candangolândia”.

Terceiro, pelas milhares de pessoas que foram ao Largo das Batatas, enganados de que havia um acordo, que – na prática – se opuseram à política de Boulos e da direita que foi e continua sendo “#fiqueemcasa” e confie em Doria, Witzel, Ibaneis… e até em Bolsonaro, para resolver a crise, o genocídio, que só pode ser barrado pela mobilização popular nas ruas.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas