Genocídio no Rio aumenta
O aumento de mortes pela Covid na cidade, sendo o último registro de 81 em 24 horas, alertou os especialistas que denunciam a falta de estrutura no Rio e caos no sistema de saúde
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
covid.no.rio
Pacientes são remanejados em busca de unidades que dê apoio | https://www.esquerdadiario.com.br/Negacionismo-de-Crivella-deixa-o-Rio-de-Janeiro-a-merce-da-segunda-onda-de-Covid-19

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou nesta quarta-feira (2), uma nota técnica em que afirma que a cidade do Rio de Janeiro está um triz do colapso do sistema de saúde. Isso quer dizer que não demora muito e vai haver um caos geral por falta de atendimento causado pela Covid. O que é ainda mais preocupante por estarmos perto das festividades de Natal e Passagem do Ano, que são sinônimos de aglomeração.

O número grande de mortes provocadas pela Covid na cidade, sendo o último registro de 81 em 24 horas, alertou os especialistas que definiram o cenário futuro como grave e preocupante. A Secretaria Estadual de Saúde divulgou mais de 3 mil novos casos de Covid-19.

Christovam Barcellos, sanitarista e coordenador do Monitora Covid da Fiocruz, se manifestou sobre o problema informando que, entre setembro e outubro, houve cerca de mil mortes a mais do que o esperado. E disse mais: “Esse estudo mostrou o que nós chamamos de excesso de mortalidade, uma quantidade a mais de pessoas que vieram a óbito no município do Rio, em torno de 28 mil pessoas. Isso é assustador, porque se a gente pensar que em torno de 13 mil dessas mortes aconteceram por Covid, os outros 15 mil morreram por falta de assistência — tinham doenças crônicas que podem ter sido agravadas pela Covid ou que não receberam a devida assistência, por exemplo, para crise de hipertensão e diabetes”.

As informações do SUS revelam que a fila para internação de pacientes com Covid-19 subiu dez vezes no SUS, em apenas um mês e meio, e que 456 pessoas estavam a espera de um leito, sendo 242 de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), segundo relatório, até quarta-feira (2),

A Fiocruz, por sua vez, no seu relatório, diz que essa situação vai piorar, e que, para evitar que isso ocorra, a cidade vai ter que montar uma  estrutura hospitalar para dar conta da demanda que já é excessiva. Como destaque, ela demonstra que um ponto preocupante são as mortes fora das UTIs, sendo que 40,5% dos óbitos por Covid registrados em hospitais foram dentro de UTI, 27% fora da UTI, e 32,5% sem informação.  E isso sem considerar os doentes que sequer chegaram aos hospitais, tendo falecido em casa, a caminho, ou nos postos. Barcellos, inclusive comenta isso:

“Infelizmente muita gente faleceu em casa ou dentro das UPAs, provavelmente esperando vagas em hospitais. Quem chegou aos hospitais, muitas dessas pessoas não tiveram acesso a UTI e faleceram em outros setores dentro dos hospitais, como por exemplo nas enfermarias”, afirmou o sanitarista.

Christovam Barcellos também denuncia que as esferas municipais, estaduais e federal não se articulam no combate à pandemia, mas precisa.

“É um aviso, principalmente para os prefeitos que vão tomar posse a partir de 1º de janeiro de 2021, de que podem encontrar um quadro de colapso no seu sistema de saúde e completamente desarticulado dos demais municípios, dos estados e federal”, disse o coordenador do Monitora Covid.

Embora as instituições estejam desarticuladas não quer dizer que o reconhecimento disso vá mudar alguma coisa no panorama, já que isso faz parte dos planos da burguesia, que não tem outro interesse senão que a economia não pare, que não tenha isolamento social, e que as pessoas estejam nas ruas, nas praias, nos bares, nas escolas, em todo lugar onde haja uma fonte lucrativa. Sequer preocupação com a nova onda, que de nova não tem nada, a burguesia tem. Os capitalistas estão dispostos a matar mais centenas de milhares para manter seus lucros. 

A única forma de barrar tamanha ofensiva é com a mobilização popular dos estudantes, secundaristas e universitários, dos trabalhadores, com os sindicatos de todas as categorias se pronunciando, com os demais organismos dos movimentos sociais, bem como as associações de bairros, todos nas ruas, para protestar e barrar de uma vez por todas essa política genocida, que não para de derrubar de forma covarde e aviltante, amigos, parentes, trabalhadores, e todas as pessoas que deveriam estar hoje conosco, ou com suas famílias, mas já se foram, morreram contaminadas pela covid, e pela falta de uma política que combata isso, valorizando as vidas em jogo e não o lucro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas