Stacey Abrams
Direita norte-americana se utiliza do movimento negro para impulsionar candidatura de Biden
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
stacey-abrams
Stacey Abrams, política burguesa do Partido Democrata | John Bazemore/AP Photo

Após uma longa semana de apuração dos votos nas eleições norte-americanas, em meio a denúncias de fraudes e a uma série de mobilizações da população nas ruas, o resultado finalmente consolidou a vitória do democrata Joe Biden, o candidato do imperialismo. A operação da burguesia para impulsionar a eleição de Biden se deu em grande medida na busca de apoio por vários setores da esquerda dos Estados Unidos.

O candidato apoiado por Wall Street, pelos capitalistas do setor financeiro e dos setores militaristas da burguesia norte-americana era apresentado por toda a imprensa do país e internacionalmente como um político “civilizado”, que seria a resposta para a “barbárie” representada pelo também direitista Donald Trump. Assim como a esquerda, setores identitários do movimento negro, do movimento de mulheres atuaram em defesa do candidato que é na verdade um verdadeiro inimigo da população pobre e mais ainda dos negros e mulheres.

O lado “civilizado” da candidatura de Biden esteve representado na figura de Stacey Abrams, apresentada como ativista do movimento negro, advogada e escritora. A política do Partido Democrata, que foi deputada na Geórgia por 11 anos organizou vários movimentos para que a população participasse da eleição, visto que o voto não é obrigatório nos Estados Unidos. Só no Estado da Geórgia, essas iniciativas trouxeram mais 800 mil novos eleitores, sendo 45% dessas pessoas com menos de 30 anos e 49% são negros.

Abrams é só mais um exemplo de como a “representatividade” costuma ser usada para passar uma imagem mais “civilizada” da direita. No mesmo sentido também serve a vice de Biden, Kamala Harris, que recentemente declarou que “o embargo é a lei” ao se referir a Cuba.

A luta dos negros e também a luta das mulheres não pode ter como política a mesma política defendida pela direita tradicional dos Estados Unidos. Os democratas norte-americanos foram os responsáveis por todas as guerras sustentadas pelos EUA nos últimos anos. Joe Biden, da mesma forma que o ex-presidente Bush, atende às demandas da ala mais militarista da burguesia. Stacey Abrams e Kamala Harris seguem a mesma política, só que fantasiada de mais “democrática”, por supostamente defender os negros, as mulheres e os demais setores oprimidos.

Todos os ataques desferidos ao povo negro vêm exatamente dessa direita. A burguesia sempre usa desse tipo de manobra para confundir a população e “pescar” os mais incautos da esquerda pequeno-burguesa, que nos últimos tempos tem levado uma política totalmente a reboque da direita. Essas figuras da direita se utilizam de uma cartada identitária para dar legitimidade a esses ataques. Esse tipo de farsa deve ser denunciado por todos os setores e organizações de esquerda e devem ser combatidos no sentido de mobilizar a população para enfrentar a direita nos métodos tradicionais, com o povo na rua.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas