Uma política burguesa
PSOL irá destinar recursos especiais para mulheres, negros, indígenas, quilombolas, LGBTs e deficientes
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
psol convenção
Evento de mulheres do PSOL | Foto: Kauê Scarim/PSOL

No dia 8 de agosto, o diretório nacional do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) aprovou, sem qualquer consulta à sua militância, um plano especial de financiamento de algumas candidaturas. De acordo com o plano, os recursos destinados aos candidatos serão distribuídos da seguinte maneira: 30% para candidaturas proporcionais de mulheres, 50% para negros, 15% para indígenas, quilombolas e LGBTs e 10% para deficientes. O objetivo dessa resolução seria, segundo o presidente nacional da legenda, “não só incentivar as candidaturas de mulheres, indo muito além do que determina o TSE, que destina 30% do fundo eleitoral para candidaturas femininas, mas também de outros grupos que historicamente estão em desvantagem na política brasileira”.

Muito longe de uma política efetiva para combater a extrema-direita, que é inimiga de todos os setores contemplados pelo PSOL, a resolução não passa de uma demagogia eleitoreira. Em primeiro lugar, a necessidade de o partido determinar uma cota para cada um desses segmentos demonstra que, na verdade, há uma ala no partido que seja contra esses segmentos. Ou seja, que o PSOL não tem um programa para a situação política que está colocada e, justamente por isso, a única forma de o partido defender os interesses dos índios seria o de lançar um índio candidato. Não fosse assim, não seria necessário estabelecer uma cota para cada setor: a preocupação do partido seria de estabelecer um programa e que, de acordo com o programa, os militantes definissem os candidatos.

Outro aspecto importante revelado nessa decisão é que o PSOL, como um típico agrupamento pequeno-burguês, acaba cedendo à pressão do imperialismo para não defender os interesses da classe operária, e sim uma política identitária de natureza oportunista. Se, de fato, o partido acredita que estabelecer cotas eleitorais para setores oprimidos ajuda o partido a se manter sob a direção desses setores, por que não estabelece cota para operários?

Em terceiro lugar, registramos que a “referência” do PSOL para sua política é o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Isto é, o PSOL é o partido que se orgulha de aprofundar a política do Judiciário golpista, que tirou Lula das eleições e que é responsável pela ditadura do regime que tornará praticamente inviável que uma candidatura de esquerda saia vitoriosa.

Frente ampla

Junto ao estabelecimento de cotas, o diretório aprovou, segundo seu portal na internet, “definições sobre tática eleitoral, reafirmando a orientação pela unidade da oposição de esquerda e centro-esquerda contra o governo Bolsonaro”.

Embora pareçam temas bastante distintos, ambos se complementam. O termo obscuro “centro-esquerda” revela, em si, que a política do PSOL para as eleições passa pela política da “frente ampla”. Isto é, a política de conciliação da esquerda com setores da burguesia, que apoiaram o golpe de 2016. O pré-candidato a prefeito de São Paulo pelo PSOL, Guilherme Boulos, participou recentemente de atividades com figuras como Fernando Henrique Cardoso. E ninguém do partido contestou, mostrando que há um acordo em relação a esse tipo de política.

E o que isso tem a ver com as cotas de recursos para uma série de setores? Tem a ver que ambas as medidas revelam que a prioridade do PSOL não é a de estabelecer um programa de luta para a classe operária diante da extrema-direita. O PSOL defende a “frente ampla” porque, como consequência de sua composição fundamentalmente pequeno-burguesa, é incapaz de estabelecer um programa independente, ficando a reboque da burguesia. E, na falta de um programa, resta ao PSOL, portanto, recorrer a uma política demagógica com os setores que estão sendo atacados pelo governo Bolsonaro.

A política é demagógica porque não procura resolver os problemas desses setores. Busca apenas “fazer uma média”, mostrar-se preocupado com esses setores, sendo que a preocupação em si não impedirá os ataques. Não basta ter uma candidata mulher para que os interesses da mulher sejam atendidos: Joice Hasselmann, Damares Alves e Janaína Paschoal são apenas alguns exemplos. E o mesmo vale para qualquer outro setor: a burguesia tem muita facilidade para manipular negros, índios e até mesmo deficientes para que defendam sua política.

O que não pode ser manobrado pela burguesia é um programa de luta dos trabalhadores e de todos os setores explorados. Muito mais do que uma “representatividade” artificial, é preciso colocar, de maneira clara, as reivindicações que levarão esses setores a um enfrentamento contra o regime político e contra a extrema-direita. Em oposição às palavras de orem de “mais recursos para candidatas mulheres”, é preciso responder com a defesa do direito ao aborto. Em oposição à demagogia com os índios, é preciso organizar sua autodefesa, junto com os trabalhadores do campo e, assim por diante.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas