Reabertura no auge da pandemia
O governo federal e os estaduais manipulam dados para dar a aparência que a pandemia está diminuindo. É um genocídio do povo trabalhador.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
comercio de rua em são paulo
Movimentação no centro da cidade de São Paulo em 10 de junho de 2020 | Foto: reprodução AFP

Segundo os dados do governo federal até ontem o País tinha mais de 118,6 mil mortos, vítimas do coronavírus e mais de 3,7 milhões de casos confirmados da doença. Nos últimos dias tem se registrado uma média de mil mortes e 40 mil novos casos por dia. O Ministério da Saúde apresentou um boletim relatando um aumento de 4% de mortes em relação à semana anterior. No entanto segundo esse mesmo relatório o número de novos casos diminuiu.

Constata-se que hoje metade das cidades brasileiras já deixaram a quarentena originada pela pandemia do Covid-19, retomando quase normalmente o seu movimento nos postos de trabalho. No entanto a epidemia, segundo dados oficiais, só recuou em 43% dessas cidades.

Em 171 (53%) dos 324 municípios brasileiros com mais de 100 mil habitantes, o movimento nos postos de trabalho está em média igual aquele antes do início da pandemia, ou seja, a maioria dos trabalhadores já voltaram a seu trabalho.

Verificou-se que em muitos desses municípios que voltaram à atividade normal a doença causou um aumento no número de casos ou ainda uma estabilidade, mas num patamar ainda muito elevado.

A reabertura das atividades econômicas segue o plano geral do governo ilegítimo de Bolsonaro e que agora é seguido pelos governos estaduais. O governo do estado de São Paulo, de João Dória, que iniciou a reabertura em 10 de junho, declarou que o seu plano de reabertura gradual não teve impacto negativo no número de casos e mortes pelo Covid-19, uma declaração cínica, de um governo que não tomou nenhuma providência para deter o avanço da doença.

O Brasil registra um dos maiores índices de retorno aos postos de trabalho dos países da América Latina, a frente de Argentina, Colômbia, México e Chile, somente atrás do Uruguai.

O exemplo do Paraná

Um informe epidemiológico distribuído pelo governo do Paraná deixa claro como os números do Covid-19 tem sido manipulados para darem a impressão que o contágio e morte pela doença tem diminuído para que se possa levar uma campanha pela reabertura das atividades econômicas.

Nesse informe se constata que o estado do Paraná registra o total de 120.920 casos da doença com 3.064 mortes. O detalhe está na tabela denominada “casos e óbitos de SRAG por vírus de residentes no Paraná”. SRAG significa Síndrome Respiratória Aguda Grave.

São contabilizados cinco tipos de SRAG: por Covid-19; por Influenza; por outros vírus respiratórios; por outros agentes etiológicos e SRAG não especificada, além do que eles classificaram como “em investigação”.

SRAG por Covid-19: 10.045 casos e 2.590 mortes
SRAG por influenza: 95 casos e 13 mortes
SRAG por outros vírus respiratórios: 777 casos, 61 mortes
SRAG por outros agentes: 34 casos e 14 mortes
SRAG não especificada: 15.082 casos e 2.606 mortes
Em investigação: 3.699 casos e 5 casos.

No total são 29.732 casos e 5.289 mortes. Esta tabela demonstra claramente que o número de casos e mortes por doenças respiratórias é quase o dobro daquele divulgado pelo governo do Paraná.

Chama atenção especial a classificação “Não especificada”, que traz metade do número de casos e de mortes total. Isso só mostra que muitos dos mortos não foram testados para o Covid-19. Devemos lembrar que o SRAG em 2019 matou apenas 349 pessoas em todo o país. Portanto fica claro que esses números escondem que a maior parte das vítimas do SRAG são de vítimas do Covid-19.

Consultando o Boletim Epidemiológico da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde verificamos que os dados sobre o SRAG também escondem as mortes por agentes não especificados.

Segundo esse boletim são 111.258 mortos pelo Covid-19, 317 pela Influenza, 209 por outros vírus respiratórios, 403 por outros agentes etiológicos, 46.484 por causas não especificadas e 2.889 em investigação, com um total de 161.560 mortos, o que mostra um número total de mortes muito superior àquele divulgado pelo governo federal.

Política de genocídio

Por estes números fica evidente que o problema da pandemia é muito mais grave do que os governo federal e os estaduais demonstram. Há uma deliberada omissão dos números verdadeiros para encobrir a gravidade da situação e levar adiante o objetivo dos capitalistas: a reabertura do comércio, da prestação de serviços e a normalização da economia geral em detrimento da saúde do povo. Esta política de reabertura de atividade no auge da crise sanitária é um crime gigantesco, um real genocídio da população mais humilde que é obrigada a ir trabalhar por falta de opção.

Neste momento os governos estaduais estão trabalhando para fazer o retorno dos alunos às aulas presenciais. Nessas condições,  a volta às aulas sem uma vacina é uma política assassina, que não respeita as vidas das crianças e adultos e  só atende aos interesses dos empresários da educação, dos banqueiros e outros setores que querem “tocar a economia” como se tudo estivesse normal.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas