Menu da Rede

“Queimar estátua é política identitária contra a luta de classes”

O direito à vacina

A quebra das patentes e o lucro das farmacêuticas

É preciso quebrar as patentes da vacina e iniciar uma grande produção internacional

A liberação da patente das vacinas americanas não viriam junto com a tecnologia, mantendo de refém os países sem tecnologia para reproduzi-las em solo nacional, tendo que contratar os serviços das farmacêuticas americanas. – Foto: Repordução

Nas últimas semanas a questão da quebra das patentes das vacinas se tornou uma discussão em diversos países do mundo devido ao pronunciamento de Joe Biden, presidente do Estados Unidos, no qual ele se declarava favorável a suspensão dos direitos intelectuais das vacinas. A declaração pareceu despropositada, considerando sua origem em um político tão conservador como o democrata Biden. Quem não entendeu o problema, até chegou a considerá-lo como progressista. Contudo, o problema essencial vinha com a decisão da própria China em, não só quebrar a patente de suas vacinas, como de se dispor a transmitir a tecnologia necessária para a produção do fármaco por outros países. 

Ao posicionar-se dessa maneira, os chineses respondiam a uma pressão internacional pela quebra das patentes, a qual se origina na alta concentração das doses existentes pelos países avançados. Os Estados Unidos, por exemplo, chegaram a proibir a exportação de doses, concentrando toda a produção nacional de vacinas. As centenas de milhões de doses possuídas pelos EUA, portanto, faziam contraste com a escassez de vacinas por todos os países que não possuíam fábricas nacionais de produção de vacinas. 

Nessa situação, a pandemia cujo epicentro localizava-se nos EUA, deslocou-se para os países atrasados. Brasil,   México e India são hoje os responsáveis pelos recordes mundiais de contaminados e mortos. Quer dizer, enquanto os países pobres esperam os países ricos se vacinarem, a população sofre com a intensificação sem precedente da crise. Essa é de fato a divisão internacional dos problemas: enquanto os ricos se salvam, os pobres morrem com o naufrágio do sistema de saúde e da economia. 

A Europa, por sua vez, apresentou um plano eficaz de vacinação, acabou sofrendo, mesmo que em menor grau, com a medida dos EUA. Começaram a faltar vacinas na União Europeia, ao passo em que a vacina da Oxford/Astrazeneca começou a causar problemas de saúde em uma pequena porcentagem dos vacinados. Nessa situação, países como a França, a Alemanha e a Espanha, passaram a ter restrições em relação a essa vacina, reduzindo a variedade de fornecedores para dois, dependendo apenas da Pfizer e da Moderna. 

A lentidão na vacinação global, portanto, alimentou o movimento pela quebra das patentes. Com essa medida, os países que estivessem aguardando a sua vez para receber a vacina de outros países, poderiam passar a produzir as suas próprias. Nesse sentido, portanto, a quebra da patente da vacina chinesa, é um golpe profundo nos lucros das empresas farmacêuticas imperialistas. Foi nesse contexto que Biden optou pela defesa, não da quebra, mas da suspensão da patente. 

Entrando nessa discussão, diversas alas direitistas da política nacional saem em defesa das patentes. Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, chegou a dizer, por exemplo, que a “quebra da patente vai causar um ‘apagão’ na saúde brasileira”. O argumento é que a produção da vacina em solo nacional levaria o nosso sistema produtivo ao colapso. Covas segue com a mesma opinião para “quase todos os paises”. Quer dizer, ele defende que a produção das vacinas exclusivamente pelas fábricas já existentes seria mais eficiente que a ampliação nacional das fábricas produtivas. 

É preciso lembrar que o Brasil já foi o principal país produtor e exportador de vacina no continente. Temos a logística e se houver a preocupação do governo, conseguiríamos a infraestrutura. Dimas não explica porque exatamente isso causaria um apagão. 

Esse tipo de argumento, claramente, advém de setores que defendem os interesses escusos da própria indústria farmacêutica que não quer perder os seus enormes lucros com a produção e a venda das mais de sete bilhões de doses em nível internacional. É preciso dizer, portanto, que a defesa da quebra da patente com transmissão de tecnologia deve ser uma pauta fundamental dos países atrasados.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.