Truque de mágico
Governo diz que está ajudando consumidores pobres, mas repassa bilhões para empresas privadas internacionais e lhes garante lucro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Electric Pylons
Transmissão de energia elétrica é parte importante da privatização total do sistema elétrico | Foto: Reprodução

O governo federal baixou a Medida Provisória 998/20 para destinar às empresas do setor elétrico o saldo não usado em pesquisa da Conta de Desenvolvimento Energético – CDR, um fundo setorial abastecido com 1% da receita operacional líquida das empresas (que elas repassam para os consumidores). De quebra ela apresenta mecanismos para “amenizar impactos na conta de luz dos consumidores, também no médio e longo prazos” (Portal da Eneel, 2/9/20).

O governo quer que se pense que ele está preocupado com o consumidor e por isso coloca limites no apetite das empresas que adquiriram à preço de banana as distribuidoras de energia da região Norte, quando, na verdade, tanto esta MP quanto a anterior (MP 950/20) têm a finalidade de transferir recursos para as empresas privadas e retirar delas os compromissos contratuais que lhes geram despesas, como por exemplo em pesquisa. Esses compromissos geram em média despesas de R$ 4 bilhões ao ano à conta da CDE, que, a partir da Lei 13.360/2016, vem caindo e tende a desaparecer. A MP 950 transferiu para as empresas privadas R$ 15,3 bilhões, sob a desculpa de reduzir os impactos do coronavírus sobre o mercado elétrico.

Não há valores ainda divulgados sobre quanto a atual MP vai beneficiar as empresas. Mas a nova MP “autoriza o uso de verbas da CDE e de outro fundo setorial, a Reserva Global de Reversão (RGR), para atenuar aumentos tarifários de distribuidoras privatizadas pela Eletrobras em 2018, nos Estados do Amazonas, Roraima, Alagoas, Piauí, Rondônia e Acre, e da distribuidora estatal CEA, do Amapá.”(Brasil 247, 2/9/20). Desde a privatização dessas empresas, já se sabia que o governo iria repassar recursos para as empresas, pois a conta não paga pelos consumidores de baixa renda desses estados não poderia ser repassada para os consumidores, pois esses não têm mesmo como pagar. A inadimplência na região ultrapassa a casa dos 50%. A energia é cara, instável e grande parte da população consumidora vive na miséria.

O que os governos Temer e Bolsonaro fizeram e estão fazendo é destruir a estrutura do Estado no setor elétrico, privatizando o que conseguem e assumindo a responsabilidade em pagar aos grandes credores contas que ultrapassam dezenas de bilhões de reais. Diga-se de passagem que esses credores são bancos, como o Itaú e BTG pactual e oligarquias do PMDB, como os Sarney e Barbalho, que conseguiram entrar e dominar a Eletrobrás há mais de 4 décadas.

A partir do golpe de 2016 o setor energético brasileiro, que inclui também a área de petróleo e gás, está cada vez mais dominada por monopólios privados estrangeiros. O país está deixando de ser soberano em uma área estratégica e, ainda mais, no caso da energia hidroelétrica, deixa de ser soberano sobre partes consideráveis do território e da água acumulada nos reservatórios.

A atual MP, fingindo atender aos consumidores, retira subsídios “concedidos a usinas de geração renovável, como usinas eólicas, solares e de biomassa, na forma de desconto em tarifas pelo uso de sistemas elétricos de transmissão e distribuição” e “determina que compete ao Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) conceder outorga de autorização para exploração da usina nuclear Angra 3 e autorizar a celebração do contrato de comercialização da energia produzida pela usina) (Brasil 247, 2/9/20).

Essa medida sinaliza que o governo deixa de incentivar a produção de energia não poluente e que o custo da produção de energia alternativa vai subir.

Apesar da propaganda governamental, nenhum aspecto dessa Medida Provisória tem por objetivo beneficiar o consumidor. Os sentidos dessa política são somente beneficiar as grandes empresas privadas internacionais.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas