Doença crônica
O cenário econômico que já estava em situação instável nas últimas décadas levou um golpe ainda maior no começo do ano de 2020: uma pandemia que gerou uma crise sem precedentes.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
São Paulo SP 27 02 2020-  Temor  do coronavírus, bolsa cai e dólar a caminho de 5 reais - foto Jorge Araújo /Fotos Publicas
Foto: Jorge Araújo /Fotos Públicas |

O sistema capitalista mostra sua fragilidade e que está agonizando há muitas décadas. Após a Segunda Guerra Mundial, a economia capitalista passou por grandes oscilações na tentativa de recuperação econômica, políticas foram criadas e implantadas em vários países, inspiradas nas mais diversas teorias, algumas com um pensamento mais voltado para a intervenção estatal, como foi o Keynesianismo, que tinha como objetivo criação de empregos, controle da inflação e também a criação de políticas voltadas para a vida dos trabalhadores como direito ao seguro desemprego, salário mínimo, entre outras políticas que pudessem proporcionar uma vida um pouco mais digna para os trabalhadores dentro da economia capitalista, e do outro lado políticas inspiradas em teorias desenvolvidas para o capitalismo na sua forma mais pura, como foi o neoliberalismo, nascido no Reino Unido e implantado também em países sul americanos e outras potências imperialistas, que consistia numa menor intervenção estatal na economia e aplicando políticas completamente violentas contra os trabalhadores como perda de direitos, redução de salários, terceirizações, venda de empresas estatais, além da abertura econômica para o capital imperialista, no caso dos países menos desenvolvidos. Essas políticas não tiveram os efeitos esperados justamente por não priorizarem os trabalhadores e muito menos serem de cunho revolucionário, afinal, apesar de algum assistencialismo aos trabalhadores como foi o caso do Keynesianismo, as políticas econômicas foram pensadas para atender o capital, a burguesia, e a manutenção do capitalismo, e mesmo assim o sistema ainda encontra sérias dificuldades em se manter, demonstrando a sua decadência.

O cenário que já estava em situação instável por todos esses anos levou um golpe ainda maior no começo do ano de 2020: uma pandemia que gerou uma crise sem precedentes. Economias que já vinham de crescimentos praticamente nulos e crises constantes do mercado financeiro se viram obrigadas a pararem completamente a maioria das suas atividades e o mundo capitalista praticamente parou por completo. Com isso, o que já estava difícil passou a ficar insustentável, e a crise está a cada dia mais acirrada com perspectivas nem um pouco animadoras e ao mesmo tempo imprevisíveis de determinarmos quais suas reais dimensões. Para o ex secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Larry Summers, “esta será a maior crise econômica global desde a Segunda Guerra”, e os Estados Unidos deverá chegar a marca de quase 20% de desempregados antes desse período terminar. A crise não será exclusividade da maior potência imperialista mundial, países europeus projetam quedas econômicas que podem chegar até 13%. No Brasil, em dados muito otimistas, a queda esse ano pode chegar a 5%. O número de desempregados e de trabalhadores entrando para a situação de pobreza cresce a cada dia, e isso é reflexo das crises sucessivas do capitalismo que o deixa cada vez pior, justamente pelas políticas adotadas para que os trabalhadores paguem pela crise e mantenham os lucros burgueses. Porém, a situação tende a ficar insustentável e o caos social é inevitável, principalmente em países onde os governos são completamente genocidas, como é o caso do Brasil e seu presidente fascista Jair Bolsonaro.

O capitalismo está em ruínas e é chegada a hora de uma maior mobilização dos trabalhadores para a construção do governo operário. Os trabalhadores que se encontram a cada dia mais exaustos de todas as suas condições sociais e de terem que levar as consequências de políticas cada vez mais agressivas contra o proletariado e colocando suas vidas em risco por culpa da classe burguesa precisam se organizar para a revolução proletária e a construção de um governo que dê aos mesmos uma vida digna, de igualdade e justiça.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas