Menu da Rede

Antônio Carlos Silva

Luta do negro

“A partir de hoje, somos todos negros”

A libertação do negro, das péssimas condições econômicas e sociais, é que vai acabar com o racismo, não o oposto

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Nos últimos anos, surgiu o identitarismo e toda uma política subjetiva e individual como possível forma de libertação do negro. Uma concepção acima das relações de força da sociedade, acima das classes sociais, acima do que realmente acontece com o negro, sua posição social e seu peso político. 

Essa posição é apresentada como sendo o que há de mais evoluído na luta do negro contra o racismo. Basta a mudança da forma de se falar tal ou qual coisa. Basta integrar alguns negros em alguns processos, em alguns cargos, em algumas secretarias, em alguns jornais. Bastam os comerciais com negros, com cabelo Black, sorridentes. Inventaram um monte de palavras que mais confundem que ajudam na luta do negro.

Em grande medida, isso é resultado direto da influência da classe média no movimento negro, uma política direta da pequeno-burguesia, influenciada pela esquerda norte-americana. É natural que, enquanto classe, a mudança social pretendida pela pequena-burguesia seja a ascensão social individual, a adaptação ao regime.

Por outro lado, o que fez Toussaint Loverture, ao encabeçar a libertação do povo haitiano diante das potências imperialistas, parece ter sido esquecido. Seus métodos de organização, a luta daquele povo, primeiro a acabar com a escravidão nas américas, ficam, pouco a pouco, esquecidos, em troca de belas palavras e de alguns poucos negros bem colocados dentro do regime. A Revolução Haitiana derrotou (só) três exércitos imperiais: França, Espanha e Grã-bretanha.

Em seu discurso de vitória, Toussaint afima: “a partir de hoje, somos todos negros”, em uma imposição da vitória dos escravos revoltosos, transformando o país em uma república negra independente, e um chamado à unidade do país contra as forças escravocratas. 

Toussaint disse isso como resultado da revolução, como resultado da alteração da relação de forças sociais dentro do país. Hoje a esquerda da classe média faz o exato oposto: diz “somos todos iguais”, ou que deveríamos ser, sem que seja feita a revolução, sem que o negro tenha os mínimos direitos democráticos, sem que, na vida real, objetivamente, o negro tenha valor. 

É uma ilusão típica de quem tem a vida relativamente resolvida, que não tem mais pressões econômicas e sociais e dispensa um processo revolucionário, espera e aguarda, tão somente, que o regime racista o aceite, pelo menos por algum tempo. Nesse sentido, essa política é ultra conservadora, e deve ser duramente combatida pelo movimento negro organizado.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.