Menu da Rede

Região Sul registrou atos em mais de uma centena de cidades

Israel

A ONU e suas resoluções que servem para nada

A ONU se torna cada vez mais um organismo estéril, cujas resoluções não têm qualquer serventia para a defesa dos povos oprimidos

A alta comissária da ONU para os direitos humanos, a ex-presidente chilena Michelle Bachellet – Foto: “Reprodução”

Publicidade

A Organização das Nações Unidas (ONU), através de seu Conselho dos Direitos Humanos, aprovou, no dia 27 de maio, a abertura de um inquérito para investigar as possíveis (isso mesmo, possíveis) violações dos direitos humanos de Israel no território palestino – em especial na Faixa de Gaza – durante os bombardeios que o exército sionista, criminoso e genocida, perpetrou, por dez dias consecutivos, contra a população civil indefesa, deixando um saldo de 243 pessoas mortas, incluindo 66 crianças, tendo sido registrados também, por conta dos bombardeios indiscriminados mais de 2.000 feridos, de acordo com informações fornecidas pelo Ministério da Saúde de Gaza. As bombas de efeito destrutivo devastador atingiram edifícios governamentais, casas, edifícios residenciais, de organizações humanitárias, instalações médicas e estradas.

A resolução – mais uma dentre tantas outras – foi aprovada por 24 votos a favor, nove contrários e 14 abstenções. Entre os que se abstiveram estava o voto do governo de extrema-direita brasileiro. A resolução pede ainda que sejam averiguadas “todas as causas profundas das tensões recorrentes (…), como a discriminação e a repressão sistemática baseadas na identidade nacional, étnica, racial ou religiosa”.

Imediatamente após o anúncio da abertura de investigação da ONU, o Ministério das Relações Exteriores de Israel afirmou que “rejeita completamente a resolução aprovada pelo Conselho de Direitos Humanos” e classificou o órgão como “uma instituição de maioria anti-israelense movida pela hipocrisia e pelo absurdo”. Um protesto em tom indignado dos sionistas que não vai além de uma mera formalidade, pois os israelenses, nunca, em nenhum outro momento ou situação qualquer deixaram de executar suas operações criminosas contra povos indefesos, mesmo diante de dezenas e talvez centenas de resoluções da ONU e de outros organismos internacionais que condenam Israel pelo uso da força militar. Os sionistas criminosos nunca deram a menor importância para as resoluções da ONU, pois sabem que podem contar com um aliado poderoso de primeira hora no Conselho de Segurança do organismo. Os Estados Unidos sempre acobertaram o seu principal e mais importante aliado no Oriente Médio e nunca deixou de apoiar Israel nas votações da ONU que buscavam, de certa forma, impor algum limite às iniciativas diplomáticas e militares dos israelenses. O imperialismo europeu e norte-americano, portanto – com ênfase para os americanos – são responsáveis diretos por todos os massacres e violações dos direitos humanos que os israelenses cometem contra os povos da região.

Buscando demonstrar alguma indignação contra as atrocidades que o exército criminoso de Israel vem perpetrando há décadas contra os palestinos, a alta comissária para os direitos humanos da ONU, a chilena Michelle Bachelet declarou que “os bombardeios realizados por Israel na Faixa de Gaza poderiam ser classificados como “crimes de guerra”. Será mesmo que o assassinato de mulheres, idosos e crianças, a destruição de casas e edifícios públicos, hospitais e escolas pode mesmo ser classificada como crimes de guerra? O óbvio parece não fazer parte do que é enxergado pelos olhos não muito atentos dos senhores representantes da ONU.

É preciso deixar claro que a cessação das atividades criminosas do imperialismo e seus aliados no mundo não será obra de resoluções e/ou moções condenatórias de organismos direitos humanos aos crimes dos genocidas contra os povos indefesos. A luta contra o imperialismo e seu sistema de terror, mortes, violência, fome, miséria e doenças exige a unidade internacional de todos os oprimidos para, assim, impor uma derrota de conjunto ao inimigo comum da humanidade: o capitalismo decadente, em sua fase terminal, responsável por todas as maiores tragédias e catástrofes que afligem os povos ao redor do mundo.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.