Menu da Rede

Adquira o Jornal Causa Operária 1.172!

Regime burguês

A obsessão da esquerda pequeno-burguesa pela urna eletrônica

PSOL faz campanha histérica contra o voto impresso como se isso correspondesse a uma luta contra a extrema-direita

Urna eletrônica – Foto: Reprodução

Nos últimos dias, o debate sobre o voto impresso ocupou o primeiro plano da política nacional. O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), aprovou a formação de uma comissão especial para analisar a PEC que torna obrigatório o voto impresso para auditar o voto eletrônico, o que gerou muitos protestos da imprensa capitalista.

O Estado de S. Paulo, em um de seus editoriais, reagiu fortemente à medida, chamando o voto impresso de “atentado contra a democracia”. Incrivelmente, não foi apenas a imprensa burguesa quem reagiu. A esquerda pequeno-burguesa, defensora para todas as horas da moral e do regime burguês, também saiu correndo para defender o atual modelo de votação.

O PSOL, como partido tipicamente pequeno-burguês, é um desses grandes defensores. Em janeiro, o partido chegou a entrar com um processo contra o presidente ilegítimo Jair Bolsonaro porque ele teria dito que as eleições de 2018 foram fraudadas. No mesmo período, o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) atacou diretamente o voto impresso:

ErPOFP3XAAQQcmy?format=jpg&name=medium

De onde viria, portanto, tamanha hostilidade ao voto impresso? Naturalmente, ao fato de que, como o próprio Marcelo Freixo deixou claro, Bolsonaro defende essa forma de votação. O problema é que, se a esquerda decidir ter como política fazer exatamente o oposto daquilo que Bolsonaro diz defender, ela vai acabar por decretar a falência de seu próprio programa. Deixa de ser uma força política que defende um determinado programa para ter o seu programa por um “antibolsonarismo” acrítico e difuso.

Política não é a arte de combater um alienígena chamado Bolsonaro, que seria a expressão mais acabada de todo o mal. Política é a luta de classes. E, se a esquerda ignorar esse problema, ela vai, inevitavelmente, ficar a reboque de seus inimigos políticos.

A questão do voto impresso está diretamente relacionada com o chamado “regime democrático”. A urna eletrônica, sem qualquer comprovação impressa, é um método estabelecido pela burguesia brasileira. E é sob esse método que ela tem organizado as eleições no último período.

Não é segredo algum que a burguesia não tem qualquer apreço real pela “democracia”, mas sim que manipula as eleições de todas as maneiras para conseguir o resultado que deseja. É fácil de comprovar: a cassação da candidatura de Lula, as multas abusivas contra a campanha de rua, as doações milionárias para os candidatos de direita, a censura nas redes sociais e na imprensa em geral etc. A manipulação nas urnas, por sua vez, é mais complicada de demonstrar. No entanto, se a burguesia age sem pudores para que seus candidatos vençam, por que não poderia violar as urnas eletrônicas? De um ponto de vista técnico, é possível. E do ponto de vista político também.

É por isso, inclusive, que o Estado de S. Paulo agoniza tanto quando vê a possibilidade de o voto impresso ser estabelecido. As urnas eletrônicas, disfarçadas sob o argumento da suposta “neutralidade” da tecnologia, são um instrumento facilmente manipulável. Tanto é assim que apenas 15 países utilizam esse métodos nas suas eleições. Países mais desenvolvidos que o Brasil, que tanto passaram por revoluções democráticas e quanto têm uma classe operária mais organizada, utilizam o voto impresso.

Não haveria motivo algum para se opor ao voto impresso. A proposta seria que simplesmente quando o cidadão votasse, a urna imprimiria um voto que seria inserido nela. E, com isso, o voto impresso abriria a possibilidade de auditar a eleição de maneira mais concreta. Bastaria, para aquele que se sentisse injustiçado, solicitar aos órgãos eleitorais a contagem do voto impresso.

Não tem nada de “curral eleitoral” a ver com isso. A menos que cada um levasse o voto para casa, o que não é a proposta, nem mesmo de Bolsonaro. Na verdade, o esquema de urnas eletrônicas é mais propício ao monitoramento dos votos do que o voto impresso. Basta ter acesso à lista de eleitores, em cada horário, e os votos de uma dada seção eleitoral.

O problema é que a esquerda pequeno-burguesa se agarra tanto ao regime para lutar contra o bolsonarismo que acredita seriamente que as urnas eletrônicas seriam divinas, invioláveis. Invioláveis, de um ponto de vista tecnológico, não são. O que só nos leva à conclusão absurda de que, para os deputados do PSOL, os ministros golpistas do TSE, que fiscalizam as votações, são santos.

A campanha contra o voto impresso é, portanto, uma campanha para manter a fraude eleitoral. É uma campanha para que o povo confie cegamente em todos os conspiradores que favoreceram o golpe de 2016 e o golpe de 2018. A esquerda, deste modo, acaba por ignorar que Bolsonaro, embora seja um fascista, inimigo do povo, é também uma grande contradição no atual regime. Embora defenda, em linhas gerais, a política dos banqueiros, Bolsonaro é apoiado por uma base social viva, ao contrário dos demais políticos da burguesia. E com essa base, Bolsonaro, por um lado, é pressionado para adotar determinadas políticas de cunho eleitoral, que não são bem vistas pela política neoliberal, como, por outro, lhe dá maior independência política, que também não é bem visto pela burguesia. Diante dessas contradições, surge uma terceira: o caráter mais imprevisível de Bolsonaro e da extrema-direita em geral faz com que a burguesia sinta a necessidade, em algum momento, de sabotá-lo eleitoralmente. É por esses aspectos que Bolsonaro defende o voto impresso.

A oposição ao voto impresso é o mesmo que, diante da política bolsonarista de abrir a economia, defender o “fique em casa” por parte das lideranças de esquerda. A esquerda pode e deve discordar das posições da extrema-direita, mas deve levantar o seu próprio programa. Do contrário, é um caminho para o suicídio político. É servir de tapete para a política dos capitalistas.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.