Monopólios da tecnologia
A exclusão da rede social Parler pelo Google, Apple e Amazon, bem como o banimento de Trump do Twitter, inauguram nova ofensiva do imperialismo contra direitos elementares do povo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Parler
Rede social preferida de apoiadores de Trump, censurada pelos monopólios da tecnologia | Getty Images

Nesta segunda (11), a rede social Parler foi desativada após ter sido retirada das lojas de aplicativos da Google, da Apple e da Amazon. Seu fundador, John Matze, denunciou as empresas, que formam o monopólio das gigantes da tecnologia, de estarem em “guerra contra a liberdade de expressão”. O “cancelamento” da rede social conhecida como “twitter da extrema direita” se soma ao aumento da censura – que envolveu a expulsão do próprio presidente dos EUA, Donald Trump, do facebook e do twitter – bem como à criação de leis ainda mais repressivas para combater o “terrorismo doméstico”, como declarou Biden. Está em curso uma nova caçada à liberdade de expressão, em outras palavras, um ataque gigantesco contra os direitos democráticos da população mundial.

Imagem mostra aplicativo e página da rede social Parler — Foto: Olivier Douliery/AFP
Parler é um serviço de microblogue e rede social norte-americana, uma espécie de Twitter. Lançado em agosto de 2018, tem uma significativa base de usuários apoiadores de Donald Trump, conservadores e extremistas de direita.

Na sexta (8), o Google removeu a Parler da sua loja de aplicativos. No dia seguinte, sábado (9), Apple e Amazon também. A desculpa é que a Parler “não teria tomado medidas para evitar a disseminação de postagens de apoiadores de Trump”, ou seja, não teria censurado todas essas pessoas.

Mas não para por aí, as gigantes da tecnologia ainda colocaram a censura como requisito para que a rede social voltasse a poder ser baixada. O Google disse que a Parler precisa apresentar um mecanismo de “moderação”, ou seja, de censura, “robusto”. Já a Apple, deu 24h para que a rede social apresentasse um plano detalhado de censura contra trumpistas e que a suspensão se dará até que “eles resolvam esses problemas”.

Combate às “fake news” e ao “discurso de ódio”?

A Parler ganhou popularidade entre a extrema direita, sobretudo os seguidores de Trump, após o Facebook e o Twitter adotarem uma série de mudanças e novas regras sob o argumento de combate as “fake news” (notícias falsas), à desinformação e ao “discurso de ódio”.

Isto ocorreu em meio a um 2020 de pandemia e de disputa presidencial nos EUA, onde Trump tinha suas contas no twitter e facebook como principais canais de comunicação com seus eleitores e apoiadores.

Ou seja, apesar da demagogia sobre combater notícias falsas e “discurso de ódio”, a medida teve como objetivo impedir o avanço e a expansão da extrema direita agrupada em torno de Trump à revelia dos grandes monopólios de comunicação. O que fica claro no fato de que essas empresas, monopólios da tecnologia e da informação, são os maiores criadores e propagadores de notícias falsas e mentiras das mais diversas contra toda a população mundial.

O fato é que essas empresas, como a Google, que organizaram essa enorme censura, apoiaram Joe Biden para presidente, é uma prova disso. O objetivo deles em combater a extrema direita é acobertar a fraude eleitoral que organizaram para eleger o principal candidato do imperialismo mundial, que é Biden.

Por isso, o ataque ao Parler veio acompanhado do anúncio do Twitter que suspendeu definitivamente a conta de Donald Trump, uma forma de banir o presidente dos EUA da rede social para sempre. Uma gigantesca censura e que leva a seguinte reflexão: se Donaldo Trump, que é um capitalista, direitista, presidente da república dos EUA, o País mais poderoso do mundo, não pode se expressão numa rede social, quem pode?

A resposta é que a liberdade de expressão se confronta com a ditadura dos monopólios. A liberdade de falar o que quiser está condicionada ao imenso poder dos monopólios de tecnologia e da informação de deixarem que determinada coisa seja dita. A fala de Trump, neste sentido, tornou-se um inconveniente para a farsa do regime imperialista e da sua “democracia” parlamentar. Para defender seus interesses e sua reeleição, Trump passou a fazer críticas que acabam por desnudar a ditadura que é o regime político norte-americano, o que ficou escancarado na fraude eleitoral que elegeu Biden.

Neste sentido, a censura ao Parler e a Trump são uma resposta da burguesia imperialista após a radicalização vista nos protestos e na invasão do prédio do Capitólio, no Congresso dos Estados Unidos da América (EUA). A reação do imperialismo imediatamente foram dezenas de prisões, 4 execuções e uma campanha pelo aumento da repressão, classificando os manifestantes como terroristas.

A partir daí, aumentaram os pedidos de vários setores da burguesia para que a repressão contra Trump e seus apoiadores se desse nos mais variados terrenos. Isto ficou claro em discurso de Biden, que declarou ao Washington Post que trabalhará para a aprovação de uma 2ª lei patriótica, que tenha como foco o combate ao “terrorismo doméstico”. Ou seja, utilizará o pretexto do terrorismo para enquadrar qualquer manifestação ou protesto contra seu próprio governo. Uma ditadura completa.

Esta é a prova de que o imperialismo, diante da uma crise que não consegue ocultar, precisa reprimir violentamente a população, acabando com seus direitos em todos os terrenos. O ataque à liberdade de expressão nas redes sociais, desta forma, é um sinal de que a internet caminha para se tornar uma verdadeira ditadura policialesca dos monopólios contra toda a população mundial. O fato de isso ter ocorrido com Trump mostra a gravidade da crise, uma vez que se nem o presidente dos EUA pode se manifestar, o que ocorrerá quando o conflito se estabelecer entre a esquerda e os trabalhadores em geral contra o imperialismo? Por mais que se apresente num 1º momento contra Trump e a extrema direita, esse ataque gigantesco é para destruir a liberdade de expressão e organização da população mundial, pois se vê Trump como um inconveniente, o que o imperialismo teme de verdade são as massas e a possibilidade de se levantarem contra o regime imperialista mundial, ainda mais nos EUA.

A burguesia imperialista está fazendo a censura a Donald Trump, mas a radicalização é muito grande dentro dos EUA e os movimentos dos trabalhadores são ainda maiores que essas manifestações realizadas pela direita. Com certeza essa censura e perseguição se voltará contra a esquerda e esse é o primeiro passo para um maior controle ditatorial dos movimentos de esquerda.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas