Uma política desastrosa
Não há como derrotar a extrema-direita sem um enfrentamento
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Brasília (DF), 03/05/2020 - Jair Bolsonaro / Manifestação - Manifestação a favor do presidente Jair Bolsonaro, em Brasília. 
Credito: Jorge William/Agência O Globo
Manifestação bolsonarista durante a pandemia | Foto: Jorge William/Agência O Globo

Em entrevista ao Jornal Brasil Atual no dia 10 de junho, Guilherme Boulos, coordenador nacional do MTST e ex-presidenciável pelo PSOL, fez um balanço dos atos convocados no dia 7 contra o governo Bolsonaro. Uma declaração que chamou atenção de nossa redação e que será o centro dessa polêmica foi a de que o ato convocado pelo próprio Boulos no Largo da Batata teria cumprido um papel importante na luta contra o fascismo:

Quando o fascismo toma as ruas livremente, cria um clima de medo, um ambiente de agressão, de ódio. Então, construiu-se um contraponto. Ficou claro neste domingo que existe uma muralha para barrar o fascismo no Brasil.

Os acontecimentos envolvendo Guilherme Boulos no dia 7 não apontam, contudo, para a formação de uma “muralha” contra o fascismo. O psolista, naquele dia, capitulou para a pressão do governo Doria e para a Polícia Militar, decidindo cancelar o ato que estava marcado para acontecer na Avenida Paulista e convocando uma manifestação no Largo da Batata. O tal Largo da Batata, além de não ser um lugar tradicional de luta da classe operária, fica situado na Zona Oeste de São Paulo — isto é, não é um lugar centralizado como pode ser a Avenida Paulista e, pior ainda, localiza-se em uma região povoada e frequentada pela burguesia e pela pequena-burguesia, não pelos trabalhadores.

De fato, há uma tendência muito forte à mobilização dos trabalhadores contra a extrema-direita. Uma tendência que se verificou, por exemplo, no ato organizado pelas torcidas de futebol em São Paulo no dia 31 de maio. O ato do Largo da Batata, contudo, não aponta para o mesmo sentido. Apesar de ter contado com algumas centenas de manifestantes — o que é um fator positivo diante da situação da pandemia de coronavírus —, o fato é que a capitulação para a direita está em total contraste com o caráter combativo de várias manifestações que se viu no Brasil.

O cálculo de Boulos e da Frente Povo sem Medo, ao desmarcar o ato na Paulista, é o de que seria melhor evitar um confronto com a polícia — isto é, com a direita. O ato organizado no Largo da Batata, no final das contas, não contou com uma ação intimidatória da polícia. E isso não aconteceu simplesmente porque o ato no Largo da Batata não impacta a burguesia da mesma maneira que um ato na Avenida Paulista. Quando a esquerda não estava saindo às ruas, os bolsonaristas puderam se manifestar livremente na Paulista. A polícia não reprimiu ato algum.

Mas a questão que deve ser colocada diante disso é: o que a esquerda tem a ganhar se não enfrentar seus inimigos de classe? E mais: a tendência expressa no ato do da 31 de maio, organizado pelos torcedores, é a de enfrentar a direita ou de baixar a cabeça para a polícia e para João Doria? Ora, a resposta da segunda pergunta já encaminha a resposta para a primeira! O que tornou o ato do dia 31 de maio combativo e o que fez com que o País inteiro começasse a se organizar para enfrentar o fascismo foi o fato de que os torcedores partiram para cima dos bolsonaristas. O ato do dia 31 de maio não foi um ato para que um político que tenta se adaptar ao regime, como o próprio Boulos, subisse em um palco para discursar. Foi um ato em que os manifestantes queriam expulsar a direita da rua.

Como Boulos pretende erguer uma “muralha” contra o fascismo se está colocando a direita na rua? Concretamente, convocar o ato no Largo da Batata no dia 7 de junho correspondeu a colocar a polícia na Avenida Paulista. É o mesmo que entregar o local de manifestação dos trabalhadores nas mãos de João Doria. Nesses termos, o ato de Boulos não foi uma “muralha”, mas sim uma capitulação que abriu a porteira para que a direita ganhasse as ruas.

Evitar confronto, fazer acordos obscuros com governos de extrema-direita e baixar a cabeça para a polícia não constituem uma fórmula eficaz para combater o fascismo. É preciso, portanto, ser menos “criativo” e aplicar a política que foi levada pelos torcedores, e que foi levada por todos os movimentos que conseguiram derrotar o fascismo: é preciso mobilizar amplamente as massas para ocupar as ruas e forçar a extrema-direita a recuar, pelo meio que for preciso.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas