Menu da Rede

Bolsonaro está com os dias contados?

Entreguismo e Amazônia

A malandragem: ninguém quer Amazônia… é tudo “teoria da conspiração”

A maior floresta tropical do mundo, de grande riqueza e potencial desconhecidos, seria imune a interesses econômicos internacionais dos países imperialistas

Mayke Toscano/Gcom-MT –

No último dia 23 foi publicado na Folha de São Paulo artigo de Rubens Valente, que trata da polêmica questão da Amazônia. O articulista usa a política criminosa do governo Bolsonaro, a quem acusa de se basear no slogan da ditadura “integrar para não entregar”, para defender a ideia de que a internacionalização da Amazônia é uma teoria conspiratória.

Com direito a crítica aos militares golpistas (de 64 aos dias atuais) e as contradições do governo Bolsonaro, o artigo chega no seu ponto principal ao defender que a soberania e as riquezas do país não estão em jogo na questão da Amazônia, que isso é apenas ideologia conspiratória dos milicos golpistas.

O autor busca fazer o leitor acreditar que a maior floresta do mundo – com pouco mais de 5 milhões de quilômetros quadrados só no Brasil, com riqueza e potencial desconhecidos, não seria cobiçada por diversos interesses econômicos internacionais. Uma manobra argumentativa para acobertar que os países desenvolvidos (EUA, França, etc) expropriam as riquezas dos países atrasados (Brasil, Venezuela, etc). Como se a questão ambiental estivesse acima desse conflito de interesses entre os países.

Daí para pior, o articulista atribui aos militares golpistas e entreguistas da ditadura militar (1964 a 1985) a autoria de uma teoria de que países estrangeiros teriam interesse em tomar conta da Amazõnia para que pudessem explorá-la. Uma tentativa de torcer a história, de dar a esses militares um caráter nacionalista, desconsiderando totalmente que o golpe de 64 foi financiado pelo imperialismo dos EUA para a preservação de seus interesses sobre os do Brasil.

Procurando reforçar um suposto nacionalismo dos militares golpistas e entreguistas, a matéria cita fala de Bolsonaro de que “a Alemanha não iria mais comprar a Amazônia” e sua acusação de outras nações “terem interesse em se apoderar do Brasil” – e do general Villas Bôas, do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) – que disse o país ser “alvo do capitalismo e de pressões estrangeiras” – porém, omite que o governo quer mesmo é entregar a Amazônia para os EUA, vide a capitulação de Bolsonaro em pedir que Trump representasse o Brasil na reunião do G7, sem se manifestar contra a ingerência total de países estrangeiros fazerem reunião para discutir o território brasileiro.

O autor também procura dizer que as falas de líderes de outros países sobre a Amazônia foram recortadas do seu contexto. Falas como a do próprio Emmanuel Macron, presidente da França, que disse que “a Amazônia é nosso bem comum” não seriam uma prova da ingerência estrangeira. No entanto, a campanha pró imperialista sobre a Amazônia está baseada justamente nesses tipos de frases: “a Amazônia é o pulmão do mundo”, “é um bem comum de todos os habitantes do planeta”, “os brasileiros não tem condições de protegê-la”, entre outras que tem como fundo a ideia de que a Amazônia não pertence aos países em que está localizada.

O articulista continua, sobre a ditadura, que baseados no conceito de “ocupar e integrar a Amazônia”: “num regime sem imprensa livre, o governo implantou diversos programas de incentivo ao deslocamento de colonos do Sul para a Amazônia, expandindo o desmatamento, expulsando e transferindo indígenas praticamente sem controle.” Vale lembrar que esses torturadores, assassinos do povo indígena, foram apoiados pelo jornal “democrático” Folha de São Paulo.

Concluindo, o autor também cita argumentos como:

O governo acredita que o país tem o direito de ampliar o desmatamento e a ocupação da região… Para os militares bolsonaristas, quem é contrário ao desenvolvimento do país é simplesmente um traidor, pois o desejo de conservação ambiental acoberta a cobiça das riquezas.”

Não é apenas uma crença do governo golpista, o desmatamento de Bolsonaro deve ser criticado, mas a Amazônia pertence aos países dos territórios em que está presente. São estes países, principalmente o Brasil, que tem direito de ocupá-la e explorá-la. Já sobre quem se coloca contra o desenvolvimento do país ser traidor, tanto os militares bolsonaristas como a imprensa capitalista brasileira (que inclui a Folha) se encaixam nessa definição. Ambos são antinacionais, de um lado o governo defende o interesse do imperialismo norte-americano e de outro a Folha defende o  imperialismo europeu. Todo o esforço retórico da matéria é para mascarar a campanha, da imprensa burguesa, a favor da entrega da Amazônia para países imperialistas estrangeiros.

 

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.