A maioria das escolas de São Paulo tem funcionários terceirizados

Cursos-Gratuitos-de-Merendeira-e-Monitor-Escolar-EaD

O governo paulista em 2008 terceirizou serviços de limpeza e merenda em metade das 5.400 unidades de ensino da rede.

Nos últimos anos só tem aumentado a terceirização nos cargos de faxineiros e merendeiros. Na maioria das prestadoras de serviço contrata as pessoas apenas por um ano. Muitos fazem provas e são dispensados na véspera do natal.

Cada temporário recebe menos que os concursados, muitos não tem férias remuneradas e são dispensados sem justa-causa. Em algumas escolas os funcionários terceirizados não podem sentar durante o trabalho, mesmo acabando seu serviço, são assediados por diretoras e “chefes” das empresa.

Estudo elaborado pela CUT (Central Única dos Trabalhadores) afirma que os trabalhadores terceirizados recebem 25% menos em salários, trabalham 7,5% (3 horas) a mais que outros empregados e ainda ficam menos de metade de tempo no emprego.

A terceirização vem sendo implementada nas escolas públicas á dez anos, agora que foi regulamentada em todos os setores. É preciso lutar pela revogação de toda a terceirização vigente nas escolas, porque o próximo setor a ser terceirizado são os professores. Todos os funcionários terceirizados devem ser incorporados ao quadro regular de funcionários da educação.