A luta não é contra agentes individuais, mas contra todos os golpistas em defesa do povo
BRAZIL-MORO-PRESS CONFERENCE
A luta não é contra agentes individuais, mas contra todos os golpistas em defesa do povo
BRAZIL-MORO-PRESS CONFERENCE

Que a Lava Jato é uma operação de desmonte das empresas nacionais e de boicote e perseguição política a um partido em especial, o PT, não é novidade para nenhuma pessoa que acompanhe minimamente a política e seus desdobramentos.

Ser de esquerda e não se colocar contra essa operação e contra a perseguição política, que vitima Lula com a pena ilegal de prisão por mais de um ano com a suspensão dos seus direitos políticos, é em alguns casos um erro grave e em outros mero oportunismo eleitoreiro.

Agora, o The Intercept, de Glenn Greenwald, vazou conversas do juíz Sérgio Moro com os procuradores da Lava Jato que montaram o processo para incriminar e prender Lula.

O teor das conversas é absurdo e constrangedor.

O juíz do caso atua como investigador auxiliando o ministério público a executar acusações e combina com esses métodos e sentenças.

Um escândalo que revela a podridão do nosso sistema judiciário e a subserviência das nossas instituições aos interesses do imperialismo norte americano.

Lula foi retirado das eleições para dar a vitória eleitoral à direita – no caso à extrema direita -, com a única intenção de levar a diante os programas de austeridade já iniciados no governo Temer que buscam a transferência total e irrestrita das nossas riquezas ao capital internacional representados por grandes empresários de diversos setores que exploram o território e o povo e aos banqueiros.

É necessário e importante denunciar e divulgar ao máximo entre a classe trabalhadora as falcatruas do Moro, o juíz parcial, e de seus asceclas, de Bolsonaro e seus filhos atrapalhados, corruptos e envolvidos com a milícia, de Deltan Dalagnon, um canalha vendilhão da pátria, e todos os demais crápulas que participam desse governo eleito pela fraude.

Porém, nenhum desses personagens ruins, da novela que é o golpe pelo qual passamos, são responsáveis de forma independente pelas imensas dificuldades enfrentadas no terreno político, social, econômico e das garantias individuais pelos trabalhadores brasileiros.

São apenas bandidos de paletó e gravata, com elasticidade moral suficientemente grande para se sujeitarem a ser os trastes que executarão os planos dos nossos verdadeiros inimigos em nosso território, o imperialismo norte americano.

Não adianta combatermos de forma individual, exigindo punição pública, exoneração, cadeia ou até a morte desses agentes do imperialismo no Brasil.

Precisamos nos colocar verdadeiramente em movimento contra as reformas, contra a violência do estado nas periferias, contra as políticas de desemprego, contra os cortes na educação e em outros setores sociais que atendem à população trabalhadora, contra o obscurantismo e contra o Fascismo.

Todas essas carências e necessidades da classe trabalhadora brasileira estão contidas nas palavras de ordem “Fora Bolsonaro”, “Liberdade Para Lula” e “Eleições gerais, com Lula candidato”.

Dia 14, precisamos dar um grande passo nesse sentido, deixando claro para a burguesia nativa e internacional que tomaremos o controle político e econômico do país e que o gerenciaremos para que atenda as nossas necessidades e não daqueles que vivem da nossa exploração.

Por isso é importante a mobilização popular rumo a uma verdadeira greve geral da qual só saíamos após satisfeitas as nossas reivindicações.

Redução da carga de trabalho sem redução salarial, aumento real do salário mínimo, recuperação dos recursos para saúde, educação e áreas sociais de moradia e renda, reestatização das nossas indústrias, retorno dos concursos públicos em todas as áreas, cobrança dos impostos dos grandes devedores do estado brasileiro e fim do pagamento dos juros da dívida aos banqueiros.