Fora frente ampla!
A frente ampla procura usar o “mal menor” para convencer a população a votar em alguém da direita. Deve-se denunciar esse golpe e lutar por Lula presidente em 2022
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Bolsonaro e Doria
A dupla "Bolsodoria", que agora a burguesia procura diferenciar, mas que são quase a mesma coisa | Foto: Marcos Corrêa - 3.jul.19/Divulgação Presidência da República

Um dos aspectos importantes da política de frente ampla elaborada no momento pela burguesia golpista no Brasil é procurar diferenciar a direita tradicional do bolsonarismo, como se a primeira fosse uma opção muito melhor para o povo do que o segundo. A manobra é feita de forma semelhante ao que foi feito nas eleições norte-americanas, ocorridas neste ano. Na ocasião, procurou-se pintar Donald Trump como a pior coisa que existia na face da Terra e convencer todos a votarem em Joe Biden, que é um direitista associado com os setores mais parasitários, belicosos, genocidas e criminosos da burguesia mundial. Foi falado repetidamente neste diário que Biden é apoiado pela família Bush e que em sua trajetória política pregressa, ele criou leis que aumentaram as penas para crimes como porte ou tráfico de drogas, além de apoiar todas as guerras e golpes do imperialismo.

Em terras nacionais, o “espantalho” é o atual presidente de extrema-direita, Jair Bolsonaro. A frente ampla, principalmente sua ala esquerda, procura atacar a política bolsonarista o tempo todo (apesar de nunca ter levantado o “Fora Bolsonaro!”), chamando-o de fascista, negacionista, assassino e irresponsável, o que é até correto. No entanto, desde o começo da crise do coronavírus, a esquerda se colocou totalmente a reboque da política dos governadores dos estados, em sua maior parte representantes da direita tradicional. Estes, por fazerem demagogia para a classe média com a pandemia, fazendo a propaganda do “fique em casa”, foram elevados ao patamar de “científicos” e “responsáveis”, apesar de nada terem feito pela população nesse período. Desse modo, figuras como João Doria ou Luciano Huck, acabam parecendo excelentes alternativas democráticas ao bolsonarismo.

No entanto, é preciso ter clareza do fato de que essa direita tradicional, representada por partidos como PSDB, DEM, MDB e outros, são os verdadeiros gestores do golpe de estado, que é a principal causa de todos os ataques que o povo brasileiro enfrenta no momento atual. Bolsonaro pode até ocupar a cadeira da presidência e ter se beneficiado do golpe de estado, mas os setores que realmente botaram em prática a derrubada do governo Dilma Rousseff em 2016 são esses que hoje são chamados de “científicos” e “democráticos.

O maior erro da esquerda no período anterior foi não saber se diferenciar dessa direita. O papel da esquerda não é apoiar as políticas da direita tradicional para procurar fazer uma oposição demagógica com o bolsonarismo, mas sim demonstrar para o povo o que realmente está acontecendo. Para o próximo período, é importante que a esquerda não incorra nesse mesmo equívoco. Daqui para frente, a questão política central serão as eleições presidenciais de 2022, e tudo indica que está sendo gestada uma gigantesca fraude eleitoral, nos moldes do que foi realizado em 2018. O principal aspecto dessa fraude é, da mesma foram que anteriormente, impedir a participação do principal candidato à presidência, que é o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Lula é o candidato mais popular do país, com o maior número de votos e o único que tem alguma chance de impor uma derrota à burguesia golpista.

Diante desse cenário, a esquerda e os setores realmente democráticos devem se unificar na luta para a possibilidade de Lula ser candidato. Não adianta apenas dizer que “O Lula é um grande cara”, “O Lula tem que participar do processo”, “O Lula tem que ter uma voz ativa no processo”. Tudo isso não passa de uma capitulação. A única colocação que é realmente combativa e não é uma adaptação total aos golpistas é “Se a eleição acontecer sem a participação do principal candidato, é uma eleição farsa, fraudada e que não tem nenhum sentido de acontecer, senão o de sacramentar o candidato da direita golpista”.

Nessas próximas eleições, a função da esquerda não deve ser a de lançar um candidato qualquer e participar do processo, assinando embaixo de toda a manipulação golpista feita pela burguesia. A esquerda deve procurar desmascarar a farsa e a fraude eleitoral do golpe de estado, mostrar para o povo a manobra feita para impedi-lo de votar em seu candidato preferencial. A melhor forma de expor o golpe de estado para a população é justamente desmascarando as eleições fraudulentas. Se for feita uma campanha séria de defesa inabalável da candidatura de Lula em 2022, abre-se a possibilidade de uma mobilização popular para garantir essa candidatura e os direitos democráticos da população.

Além disso, é preciso denunciar todas as manobras da frente ampla e se delimitar claramente da burguesia golpista. Qualquer apoio a candidatos da direita tradicional, sob a falsa justificativa da luta contra o bolsonarismo, é uma verdadeira traição ao povo. A burguesia e a direita tradicional são inimigos, no mínimo, tão ruins contra o Bolsonaro. É preciso ter clareza na elaboração política e um aspecto importantíssimo disso é não se confundir com esses direitistas, cujos principais objetivos são arrancar o couro da população. A luta é contra o Bolsonaro, mas é fundamentalmente contra a burguesia brasileira, que deu o golpe de estado conjuntamente com o imperialismo, essa burguesia agora busca ludibriar a todos, procurando fazê-los votar em seus candidatos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas