Atrasos salariais seguem
Pelo quarto mês consecutivo, a prefeitura de Sorocaba e empresas locais de transporte seguem atacando o Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e Região e seus trabalhadores
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
sorocaba_bus
Ônibus em Sorocaba | Will Bispo

A disputa entre a Sorocaba Transportes Urbanos (STU), a URBES – Trânsito e Transporte e os trabalhadores, junto ao Sindicado dos Rodoviários de Sorocaba e Região, vem se intensificando desde o início da pandemia, em especial a partir de maio, quando a STU, empresa que administra 58 linhas na cidade, anunciou que não renovaria com a Prefeitura o contrato a vencer no dia 3 de agosto, dando então início ao processo de desligamento de seus 800 funcionários. À data do anúncio, a empresa alegou que possuía frota composta por 195 veículos, mas teria passado a operar apenas com 40% do total desde o início da pandemia.

É mister lembrar que já em abril, antes do mencionado anúncio, o cenário da disputa já era vislumbrável, compreensível e intenso. Em 15 de abril, por exemplo, os trabalhadores realizaram, às 8h, uma paralisação de três horas pelo não pagamento correto de salários e direitos referentes ao mês de março, como horas extras, Prêmio por Tempo de Serviço (PTS) e Participação nos Lucros e Resultados (PLR). As alegações do Consórcio Sorocaba (Consor) e do STU foi de que o piso salarial havia sido pago e, para evitar suspensões de contratos, propuseram o pagamento dos benefícios “quando a situação do coronavírus se normalizar”. Segundo jornal G1, ainda “propuseram a compensação das horas extras do mês de março e reivindicaram a aplicação das medidas propostas pelo governo federal, em especial a redução da jornada, mantendo-se o mesmo valor da hora trabalhada.” – traduzindo a linguagem da mídia golpista: em plena pauperização e crise sanitária, a transformação do pagamento de horas-extras, quiça, no bom e velho “banco de horas”, pagando “trabalho” (e uma concreta dívida das empresas com o trabalhador) com “folga”. Muito conveniente.

Em 23 de abril, em seguida, os trabalhadores seguiram em luta e realizaram uma paralisação durante quatro horas das vias municipais, pois ainda se encontravam sem solução para os atrasos no pagamento de salário referente ao mês de março, além de vale-refeição e outros benefícios – não bastasse isso, ainda a ausência do adiantamento referente ao dia 20 e o início das demissões. Após assembleia, os trabalhadores retornaram (às 16h) às atividades para transportar os moradores. A mídia golpista (globo) fez questão de ressaltar a “forte aglomeração” causada pela assembleia, buscando desmoralizar, como sempre, o movimento dos trabalhadores.

Alegações gerais para a inadimplência para com os trabalhadores e suas demissões? “Queda do número de passageiros por conta da pandemia”. Devem então os trabalhadores pagar a conta? Esta parece ser a posição dos órgãos da prefeitura e empresas vinculadas. No dia 25 de abril, com a continuidade da paralisação dos trabalhadores, a prefeitura realiza uma reunião emergencial com as empresas envolvidas para tentar acabar com a greve. O resultado? Uma decisão judicial, emitida no dia 26, que obrigava o retorno de um mínimo de 40% da frota municipal à circulação sob pena de prisão dos representantes sindicais e multa diária de R$500 mil. Além disso, a URBES ainda registrou um boletim de ocorrência junto à polícia civil contra a diretoria do Sindicato dos Motoristas dos Transportes Rodoviários de Sorocaba e Região, alegando que a paralisação seria irregular.

Durante os meses de maio e junho, os funcionários da Consor e STU seguiram não recebendo o adiantamento devido. Segundo o sindicato, ao comentar possível paralisação que ocorreria então no dia 22 de junho, “Os trabalhadores em transportes correm alto risco de contaminação pelo novo coronavírus por causa da natureza da atividade e é inaceitável que a categoria fique sem receber corretamente o salário, que já está reduzido por causa da adesão das empresas à Medida Provisória 936”. Portanto, a natureza desta luta é mais do que clara. A posição dos contratantes? “Urbes e Prefeitura lamentam tal fato e informam que o repasse será normalizado assim que for possível e houver condições financeiras para isso.” Estamos contemplando aqui uma fala que beira o início de julho. Para compreender seu teor, basta comparar com o que vinha ocorrendo desde abril.

Entre 14 e 15 de julho, quando realizadas as testagens de 1.403 profissionais do transporte público de Sorocaba, 98 trabalhadores foram detectados como contaminados pelo COVID-19, indicando 7% de seu contingente contaminado. A testagem em massa realizada era a condição imposta pelo Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba para a retomada das atividades depois das paralisações em junho.

Importante ressaltar ainda que mais uma vez o adiamento salarial não havia sido pago aos trabalhadores até o dia 22 de julho, figurando mais uma vez o constante descaso da prefeitura e empresas envolvidas. Sob a ameaça de mais uma paralisação que poderia ocorrer caso o pagamento não fosse realizado até ontem (23), às 16h, as empresas de transporte urbano de Sorocaba o efetuaram rapidamente e a decisão do sindicato foi de suspender o protesto programado pelos trabalhadores.

A luta exemplar dos trabalhadores do transporte de Sorocaba demonstra que apenas a mobilização dos trabalhadores contra essas condições massacrantes e predatórias pode, conter investidas corporativas e governamentais, que se valem do momento de pandemia para explorar e saquear ainda mais a classe operária.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas