A luta contra o Sampaprev tem estreita ligação com a luta contra Bolsonaro e pela liberdade de Lula

ge

Os golpistas estão em marcha para desferir um ataque direto e profundo ao seu principal alvo, a classe trabalhadora brasileira, do qual fazem parte milhões de servidores por todo país.

Com a fraudulenta eleição de Jair Bolsonaro, com Lula sendo impedido de concorrer ilegalmente, a burguesia começou a lançar mão de suas cartadas mais decisivas, impor na prática a reforma trabalhista e acabar com a previdência pública e solidária dos milhões de trabalhadores no país.

Com o aval do governo de Jair Bolsonaro, em São José dos Campos, já no início de fevereiro, após ameaça da empresa General Motors em sair do país caso o sindicato e os milhares de trabalhadores da montadora não aceitassem e assinassem o brutal acordo coletivo imposto pelos patrões de redução do piso salarial de R$ 2.300,00 para R$ 1.600,00, o fim de adicionais de hora extra, fim da reposição salarial da inflação por 3 anos, parcelamento das férias entre outros 20 pontos que escravizam os metalúrgicos de São José dos Campos, o sindicato dirigido pelo PSTU, sem luta, sem greve, sem ocupação de fábrica, assinou o acordo.

Neste sentido, a luta dos servidores na capital paulista contra o Sampaprev (reforma da previdência muncipal) de Covas é decisiva, se vitoriosa, servirá de reforço para a luta da classe operária contra a reforma da previdência nacional de Bolsonaro.

A lei aprovada de maneira sorrateira e covarde em 26 de dezembro pelos vereadores da direita junto aos fascistas, e sancionada por Bruno Covas, vem na esteira do total apoio do governo de Jair Messias Bolsonaro. E ela só pode ser derrotada na prática pela luta dos servidores, com uma greve ativa. Ampliar a greve a partir da mobilização nas escolas/unidades de trabalho, com a comunidade e bairros atendidos esclarecida e apoiando a luta dos servidores contra a reforma, assim como dezenas de atos regionais, milhares de panfletos para a população, como foi feito em março de 2018, derrotando Dória e os vereadores golpistas.

Os ataques agora em marcha são resultados do golpe de Estado, portanto, precisamos derrotar o golpe, para isso nossa vitória é muito importante, também para os rumos do país e dos trabalhadores. Para isso também devem ser nossas bandeiras:
1) Revogação do Sampaprev Já!
2) Fora Covas, Dória e todos os golpistas!
3) Não às reformas trabalhistas e da previdência!
4) Fora Bolsonaro!
5) Liberdade para Lula e todos os presos políticos!