A lei não é para tucanos: Paulo Preto é imune à prisão

paulo preto

O ex- diretor da Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S/A ) Paulo Vieira de Souza, conhecido por Paulo Preto, operador do caixa dois do PSDB foi solto através de Habeas Corpus, mostrando que a lei não funciona para todos, mostrando que se o sujeito é tucano, seu tratamento é diferenciado.

Paulo Preto teve seu nome denunciado por sete delatores,  por receber 173 milhões de reais de propina nas obras do Rodoanel, na prefeitura de São Paulo (2007 a 2010 – José Serra- PSDB).

Mas, não ficou apenas em acusações, também tem as provas contra Paulo Preto, com contas em seu nome no exterior, na Suíça o operador do PSDB tem 113 milhões de reais, transferindo parte desse dinheiro para contas ligadas a José Serra e Aloísio Nunes.

O nome de Paulo Preto veio a público como operador do PSDB no inicio do primeiro semestre de 2017, e como Moro decretou a prisão de Lula para o dia 06 de abril, os golpistas detiveram Paulo Preto na Polícia Federal no mesmo dia, para justificar a prisão do ex-presidente Lula.

No entanto, diferentemente de Lula que está preso sem nenhuma prova contra ele, Paulo Preto que é comprovadamente um corrupto, foi solto pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes, mostrando que a lei não é para todos.

Contra os tucanos não existe pressão para que haja delação premiada, envolvimento dos chefes de Paulo Preto, como José Serra, Aloísio Nunes, Geraldo Alckmin que também comprovadamente receberam propinas decorrentes das operações da Dersa e dos pedágios das rodovias da Anhanguera e Bandeirantes, que foram concedidos pelo governo do PSDB.