Luta estudantil
A organização das greves estudantis deve impulsionar a luta contra o golpe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
cadeiraço
Piquete estudantil (Cadeiraço) | Foto: Reprodução

A greve estudantil contra o EAD (Ensino a Distância), a volta às aulas e pelo Fora Bolsonaro que foi deflagrada em Goiás e no Distrito Federal impulsionou a aprovação da greve na universidade estadual do Pará e de outros estados do País. Em São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Minas Gerais os militantes da Aliança da Juventude Revolucionária, organizando os Comitês de Luta Estudantis, também trabalham para impulsionar as greves em nível nacional. 

A experiência da organização da juventude nas greves e nos Comitês de luta, portanto, mostram uma verdadeira necessidade nacional pela luta política, por uma alternativa de lutas que de vazão para a tendência explosiva colocada pela situação da crise. Nesse sentido, o EAD e a Volta às aulas devem ser entendidos como ataques parciais, cujo combate está atrelado à luta contra a origem do problema, ou seja, do próprio golpe de Estado.

Após o golpe de Estado neoliberal, iniciou-se a perseguição sistemática ao movimento estudantil, com a implantação de reitores e diretores biônicos em diversas universidades e escolas do Brasil, assim como a iniciativa pela fascistização do ensino a partir do “escola sem partido” e a militarização das escolas. O mesmo golpe foi o responsável pela eleição fraudulenta de Jair Bolsonaro a partir da perseguição à candidatura do ex-presidente Lula. Dessa forma, implantou-se um governo de militares cuja política genocida é escancarada por sua inação diante da pandemia. 

Dessa maneira, a luta pela qualidade do ensino e contra o genocídio da juventude com a volta às aulas em meio à pandemia deve seguir a mesma linha política a ser colocada para o restante da esquerda: a unificação política em torno da candidatura do ex-presidente Lula. 

Se a eleição de Bolsonaro dependeu do boicote à candidatura de Lula, o impedimento da sua reeleição deve estar associado à garantia da candidatura do ex-presidente. Não apenas isso, a garantida da candidatura de Lula, a partir de um amplo movimento militante em torno da unidade de toda a esquerda, amplifica a polarização política modificando a correlação de forças em favor da esquerda.

Apenas com a correlação de forças favorável, portanto, a esquerda e o movimento estudantil, em particular, terão condições de aprovar as suas pautas e barrar a ofensiva fascista contra a população. 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas