Política inócua
Para se combater a morte do povo pobre e preto, é necessário mobilizar a população nos bairros
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
frame_12
Foto: reprodução. |

Um levantamento dos mortos pelo coronavírus realizado pelo governo do Espirito Santo escancarou a desigualdade racial na forma em que a doença atinge a população.  De acordo com os dados apontados, os negros lideram o número de mortos no estado, com o índice de  42,8%, enquanto isso os brancos apresentam a taxa de 19% dos mortos e a população de origem oriental 7,9%.

Fica evidente que o coronavírus não é uma doença democrática, a população pobre, a classe trabalhadora, em particular os negros, que em sua maioria enfrentam uma situação de miserabilidade no país, liderando por exemplo o elevado índice de desempregados, são os mais atingidos não só pela doença, mas principalmente pela política genocida levada a cabo pelos governos golpistas de deixar a maior parte da população morrer sem qualquer assistência.

Diante desse quadro, organizações que representam o movimento negro no Espirito Santo, como o Movimento Negro Capixaba, adotaram como resposta a esse problema a limitada política institucional. O Movimento Negro protocolou um ofício ao governador Renato Casagrande, do PSB, solicitando que o mesmo disponibilize os dados de mortos por COVID-19 no estado, com a identificação racial, além da criação de um canal permanente de interlocução com o Comitê de Operações Especiais, o COE.

No ofício, o Movimento Negro também pede para que o governo estadual revogue o decreto de reabertura do comércio.

Trata-se de uma política não só limitada, mas inócua, pois se baseia estritamente na via institucional, exigir pelas vias legais que o governo, responsável direto pelas mortes dos negros, faça alguma coisa para conter o massacre.

Por outro lado a Associação Brasileira dos Advogados Criminalistas (ABRACIM-ES) encaminhara oficios à Assembleia Legislativa do estado e à Secretaria do Estado da Saúde cobrando medidas para conter o avanço da pandemia entre os negros e a população de periferia.

É preciso ressaltar que a política institucional, em destaque para o Movimento Negro Capixaba, não irá resolver o problema. É preciso mobilizar a população nas periferias, principalmente os negros para exigir por meio da força popular todas as garantias necessárias para preservar a vida do povo pobre e preto.

É preciso impulsionar a organização dos conselhos populares nos bairros pobres para colocar em prática esta luta.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas