As portas do genocídio
Banqueiros e a justiça golpista, através do Ministério Público e, Sindicato patronal organizam um genocídio em Teresópolis, no Estado do Rio de Janeiro. A ordem é voltar as aulas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
imagesj(1)
Volta às aulas: a medida pode agravar o estado de calamidade já vive o Município de Teresópolis | Foto: Reprodução

Banqueiros e a justiça golpista, através do Ministério Público e o sindicato patronal organizam um genocídio em Teresópolis, no estado do Rio de Janeiro. A ordem é voltar as aulas imediatamente ou, no máximo 10 dias. Crianças, jovens, adultos, professores e servidores precisam tomar ônibus lotados, movimentar o comércio de materiais escolares, roupas, uniformes, e alimentos entre outros.

Os grandes capitalistas têm pressa e, não importa se vai haver um genocídio premeditado. Essa política genocida só pode ser barrada se servidores, pais, alunos, professores e a população em geral, que todo o povo se mobilizarem para impedir esse crime.

O mais escandaloso é que a medida de volta as aulas promovida pelo Ministério Público e, foi atendido pelo juízo da Vara da Juventude, da Infância e do Idoso, estando determinado ao município de Teresópolis o retorno das aulas presenciais nas creches e escolas do ensino infantil e, ainda, nas escolas do ensino fundamental, públicas e privadas, de Teresópolis, no prazo de dez dias.

Em plena pandemia em que já morreram 144 pessoas na cidade e, contaminados já alcançam 6822 munícipes, soma-se a esse fato de que já não há mais leitos para infectados pela Covid-19 em Teresópolis. Sem vacinas, sem medidas eficazes e com todos os índices e documentos oficiais, inclusive, indicando a necessidade de isolamento ainda mais radical, a Juíza diz que precisam convivência comunitária”.

O cinismo da decisão, da juíza Vania Mara Nascimento Goncalves – Juiz Titular da Vara, apontou para a necessidade de cessar-se a situação de risco que está configurada, “já que violados direitos fundamentais de crianças e adolescentes, não só à educação, mas também à saúde, à convivência comunitária e escolar, à cultura, ao lazer, à liberdade e à dignidade, estabelecendo que as unidades de ensino deverão observar protocolos sanitários aplicáveis ao retorno das atividades presenciais nas escolas”.

A medida arbitrária causou revolta na população e o Sindicato dos professores e Servidores já mobilizam para barrar a medida. Pressionado pela população e pelos profissionais a Prefeitura disse que vai recorrer da decisão e que não teria data para reabertura.

Pressionado pela população, em áudio endereçado aos professores, creditado ao secretário de Educação do município, professor Alvaro Chrispino, informa que o município não vai se programar para atender a decisão e sim recorrer dela, porque a decisão do juízo iria contra a “posição, orientação e decisões e práticas” tomadas pela secretaria de Educação.

A medida pode agravar o estado de calamidade já vive o Município de Teresópolis. A população, sindicatos, pais, alunos, servidores e comunidades organizadas devem ganhar as ruas em protesto para barrar a intenção dos banqueiros e golpistas em colocar em curso mais um genocídio.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas