Assassinos de Amarildo livres
Os 12 policiais envolvidos na morte de Amarildo estão recebendo um tratamento diferenciado da Justiça, que concedeu indenização à família, mas nunca pagou nada
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
família de amarildo
Familia de Amarildo vive com medo de represália: Marco Antonio Teixeira/UOL |

Em uma decisão, que só se tornou conhecida hoje, mas foi tomada no dia 6 de dezembro, a juíza da Vara de Execuções Penais do Tribunal de Justiça do Rio, Larissa Maria Nunes Barros Frankin Duarte, condenou a 13 anos e sete meses de prisão, pelos crimes de tortura e ocultação do cadáver do pedreiro Amarildo de Souza, em 2013. A decisão levou à prisão o major da Polícia Militar, Edson Raimundo dos Santos, o “Major Edson”, como era conhecido na corporação.

Neste mês, o major Edson, que estava em prisão domiciliar, recebeu o benefício da liberdade condicional, que, segundo a juíza, foi por ter completado o tempo necessário para receber o benefício e por ser réu primário.

O caso aconteceu na Rocinha entre os dias 13 e 14 de julho de 2013, quando agentes participavam da Operação Paz Armada, para reprimir o tráfico na comunidade da zona sul do Rio.

O pedreiro estava em um bar quando foi abordado por policiais e levado para averiguação à sede da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) Rocinha, comandada por Edson Santos. De acordo com as investigações, o pedreiro foi torturado até a morte pelos PM’s, que também teriam ocultado o corpo, nunca encontrado. Além do major Edson, outros 11 policiais militares foram condenados em primeira instância, mas quatro conseguiram a absolvição após recorrerem.

Como uma das principais pautas das manifestações de 2013 no Rio de Janeiro, o caso do desaparecimento de Amarildo, teve repercussão internacional. A sentença estabeleceu uma pensão mensal de dois terços do salário mínimo à viúva de Amarildo, uma indenização de R$ 500 mil para cada um dos seis filhos, e R$ 100 mil a cada um do irmãos.

O governo do Estado recorreu, mas o Tribunal de Justiça do Rio manteve a condenação da juíza. Apesar disso, a 8ª Câmara Criminal do Tribunal, absolveu quatro dos 12 policiais militares condenados em primeira instância. Os absolvidos são os soldados Jairo da Conceição Ribas e Fábio Brasil da Rocha, antes condenados a 10 anos e quatro meses de prisão, e as policiais Rachel de Souza Peixoto e Thaís Rodrigues Gusmão, a nove anos e quatro.

Não é de se admirar que a Justiça tenha esse saldo de absolvição e condenação, inclusive, devolvendo os policiais às ruas, pois já se esperava que a prática de extermínio da classe trabalhadora, composta por pobres e pretos, receba este tratamento de uma casta conservadora e preconceituosa, uma burocracia que rege as relações do judiciários e da polícia militar.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas