O nazifascismo de Weintraub.
A cartilha é a de Mussoline e Hitler, cujo interesse de se perpetuar no poder passava pelo controle da educação e a transformação da juventude em massa de manobra dócil no futuro.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
escola-militarizada-scaled-1024x585
Escolas militarizadas, projeto fascista do governo ilegítimo. |

Abraham Weintraub, assumiu o cargo dizendo que iria “acalmar os ânimos” e “pacificar” o MEC. Disse isso em abril de 2019, quando foi nomeado para Ministro da Educação. Mas, em vez disso, o que se viu foram diversas polêmicas ocasionando exatamente o oposto do que prometeu: pânico e pavor pelas ideias de defendeu, e consequente acirramento dos ânimos. É dela a acusação de “balbúrdia” nos câmpus das universidades federais, donde a ideia de que há plantações de maconha nas unidades de ensino, além da malfadada solução de problemas com cortes no orçamento e restrição a pesquisas. 

Por ter declarado que existem plantações de maconha nas universidades federais do País, foi parar na Câmara dos Deputados para dar satisfação sobre sua afirmação. E é de sua passagem por lá que nos deixou outra pérola: disse ele que o país “vive a maior revolução na área do ensino dos últimos 20 anos. (…) O símbolo máximo disso é que sai o kit gay e entram livros para as crianças lerem com os pais, as crianças que estão fora das creches começarão a chegar no ano que vem, teremos internet a todas as escolas públicas do Brasil”.

Com tantas declarações desencontradas e discussões absurdas, nem o MBL, que é uma incubadora de capachos do neoliberalismo, aguentou Weintraub e pediu o seu impeachment. Alegam eles que: “A presença do ministro Weintraub é incompatível com um governo que, durante a campanha eleitoral, prometeu um ministério de notáveis”, se referindo à campanha à presidência de Bolsonaro.

De fato isso tudo poderia ser cômico se não fosse trágico! Também o que se esperava de um governo, cujo presidente faz apologia aos torturadores, fascistas e ditadores, e defende um programa de governo para o Brasil que repete um governo militar.

Veja que cerca de cem pessoas com origem nas Forças Armadas ocupam postos em ministérios e estatais na gestão do fascista Jair Bolsonaro. Desse total, 46 militares estão em posições estratégicas no organograma, e decidem tudo sobre pastas fundamentais e estratégicas como extração de minérios, modernização de comunicações, construção de estradas, manutenção de hidrelétricas e questões indígenas. 

E é exatamente, seguindo uma política de militarização do governo, que Weintraub impulsiona o principal projeto que da pasta que é a militarização das escolas.

Nessa mesma direção é que, também Weintraub, de ideias nazifascista compatível com esse governo, dá continuidade ao “escola sem partido”, onde os professores não podem estimular o senso crítico e, se quiser expressar-se em desacordo a essa política, correm o risco de serem exonerados! Na realidade, a proibição dos debates, a perseguição contra os professores que reclamam pela falta de  liberdade para lecionar, somados ao sucateamento do ensino público com o norte voltado para a militarização das escolas, é um caminho seguro para controlar a infância e a juventude.

A única forma de enfrentar uma política como essa é pedindo a derrubada do governo, e não com o impeachment, mas com o Fora Bolsonaro, única política que pode enfrentar uma agenda neoliberal e tirá-la de pauta. Qualquer outra negociata parlamentar é crasso engano.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas