A imigração no Brasil do ponto de vista das mulheres

mulheres imigrantes

O número de mulheres que pedem refúgio no Brasil aumentou desde 2014, passando de 30,1% para 40,4% em 2015 e 42,3% em 2016.

Como acontece no Brasil, muitas saem de casa por causa da violência, doméstica ou não. Fora de seu país, buscam trabalho, apoio, sobrevivência. Chegando aqui, quando conseguem trabalho são superexploradas e encontradas em regime análogos à escravidão; são muito conhecidos casos de mulheres em fábricas de costura. O que se dá inclusive por não terem documentação e encontrado na legalidade a possibilidade de recorrer a seus direitos.

Muitas chegam ao Brasil com seus filhos e encontram todo tipo de dificuldade; por parte do Estado que rejeita essa população, mas também da sociedade. Atualmente existem organizações que procuram atuar no sentido de facilitar a vida dessas mulheres, mas ainda muito longe de conseguir modificar essa realidade.

Esse será o tema do programa TV Mulheres da próxima segunda-feira, dia 28 de maio. Para entender a condição de refugiada e imigrante, as dificuldades econômicas, sociais e culturais que mulheres vindas de diferentes países encontram ao chegar no Brasil vamos conversar com a imigrante peruana Rocio Bravo Shuña, que integra o grupo de pesquisa em Psicologia Política, Políticas Públicas e Multiculturalismo, da USP; além de fazer parte do Conselho Municipal de Políticas para as Mulheres -SP e do Coletivo de Mulheres Yana Willqa; Frente de Mulheres Imigrantes e Refugiadas de São Paulo.

Na segunda-feira, às 19 horas, acompanhe TV Mulheres, na Causa Operária TV. Veja abaixo a playlist de programas dos mais variados temas até hoje apresentados.