Não se juntando com a direita
É essa a frente que a esquerda deve formar para derrotar o fascismo: a frente entre as organizações populares e operárias, independente da burguesia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
_DCS9499
Mobilização popular pelo Fora Bolsonaro, fundamental para derrotar o fascismo. Foto: Tiago Macambira |

Boa parte da esquerda brasileira, em particular a esquerda pequeno-burguesa parlamentar, entrou de vez em uma campanha a favor de uma frente ampla puramente eleitoral com setores da direita para derrotar o bolsonarismo.

Repetem, assim, os mesmos erros indesculpáveis da esquerda na França e na Espanha, por exemplo, na década de 1930. A política foi a mesma: os partidos social-democratas e stalinistas entraram na onda da burguesia, que impulsionou uma frente popular para cooptar as lideranças dos movimentos operários e impedir que a classe trabalhadora lutasse de forma independente contra o fascismo.

Assim, as lideranças da esquerda fizeram os acordos mais espúrios e equivocados com a burguesia que, na verdade, adotou a estratégia de minar o poder da esquerda para fazer o fascismo avançar.

Na França, apesar de a esquerda quase entregar o poder à direita e aos fascistas – que estavam espalhados e organizados por toda a parte do país -, as diversas mobilizações revolucionárias dos trabalhadores obrigaram os fascistas a recuar. A burguesia teve de fazer uso da esquerda para conter a revolução, mas foi graças a essa mobilização revolucionária que, mesmo não alcançando o poder operário, levou à derrota do fascismo na França – que só chegou ao poder pela invasão da Alemanha nazista.

Por sua vez, a Espanha, no mesmo ano de 1936, viu a Frente Popular vencer as eleições. Logo em seguida, iniciou-se o golpe militar franquista. Em um primeiro momento, o golpe foi evitado na maioria das regiões do país devido à reação dos trabalhadores, armados em milícias. No entanto, as políticas erráticas do governo espanhol – justamente por ser um governo burguês, totalmente apoiado pela esquerda – fizeram com que o golpe prosseguisse e veio a guerra civil, que somente durou o que durou por causa da mobilização armada dos trabalhadores. Mesmo tendo como desfecho a vitória do fascismo, que implementou uma ditadura, esse exemplo mostrou mais uma vez o caminho correto para combater os fascistas: a mobilização revolucionária e radical da classe operária, e não a aliança com a burguesia. Esta, ao invés de ajudar minimamente, apenas atrapalha totalmente a luta contra a extrema-direita.

E é essa a frente que a esquerda deve formar para derrotar o fascismo: a frente entre as organizações populares e operárias, independente da burguesia, e não a frente ampla – ou frente popular -, que coloca a esquerda a reboque da direita. São iniciativas completamente diferentes e mesmo antagônicas. Uma tem o potencial de levar a vitória aos trabalhadores, não somente contra o fascismo, mas contra a burguesia como um todo. A outra, somente tratá a derrota para o conjunto dos explorados.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas