Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
|

Jeremy Corbyn, líder do partido trabalhista britânico, está sendo acusado de anti-semitismo. Membros do Partido o identificam como “defensor do extremismo”, num ataque político direitista mal dissimulado. Em artigo recente (30/07/2018) publicado pela Associated Press, David Willcock escreveu:

“O líder trabalhista, Jeremy Corbyn, sofreu novo ataque por lidar com a discussão interna do partido sobre o anti-semitismo, com um de seus próprios parlamentares acusando-o de apoiar e defender os extremistas”.

Ian Austin questionou a adequação de Corbyn para liderar o partido, dias depois que a Senhora Margaret Hodge admitiu confrontá-lo sobre a controvérsia sobre suas regras de racismo dirigidas aos judeus.

Dudley North MP Austin, filho de pais judeus adotivos, disse que estava “profundamente envergonhado” do Trabalhismo por não adotar completamente uma definição amplamente apoiada de anti-semitismo estabelecida pela Aliança Internacional de Recordação do Holocausto (IHRA).

Ocorre que Marie van der Zyl, presidente do Conselho dos Deputados dos Judeus Britânicos, disse que Corbyn estava “liderando o Partido Trabalhista em um lugar sombrio de teorias conspiradoras terríveis”, que se tornara um “lar para anti-semitas e anti-semitas declarados”.

Enquanto isso, Chris Leslie, ex-assistente da frente trabalhista, disse que estava “absolutamente mortificado” pela forma como o assunto estava sendo tratado pelo “alto comando do partido”.

Um porta-voz do partido insistiu que Corbyn, veterano ativista pelos direitos dos palestinos, era um “militante contra o antissemitismo” e estava determinado a enfrentá-lo.

O Sr. Austin falou depois de ser informado que, como a Senhora Margaret, ele está enfrentando uma possível ação disciplinar.

Ele admitiu ter entrado em confronto com o presidente do partido, Ian Lavery, sobre a definição da IHRA, mas disse que foi apenas uma “discussão acalorada” e alega que “o abuso de gritos era falso”. Ele acusou Corbyn de apresentar ao Partido Trabalhista uma política mais “extrema”, dizendo ao The World This Weekend da BBC Radio 4: “Alguém com opiniões e história como a dele não é realmente adequado para a liderança de um partido político importante”.

Perguntado se ele estava falando só porque não queria que Corbyn liderasse o partido, Austin disse: “Ele nunca foi minha escolha para liderar o Partido Trabalhista, é verdade, mas o que as pessoas pensam? Que eu estou tão preocupado com os planos dele de nacionalizar as ferrovias ou algo assim que eu inventaria tudo isso?

Na verdade é o contrário. É porque ele passou todo o seu tempo na política nos extremos do Partido Trabalhista, apoiando e defendendo todo tipo de extremistas e, em alguns casos, francamente, anti-semitas ”.

Ele acrescentou que se juntou ao Trabalhistas para combater o racismo depois que ele “cresceu ouvindo meu pai me dizer como ele escapou do Holocausto e como sua mãe e suas irmãs foram assassinadas em Treblinka (campo de concentração)”.

Em um editorial para o Guardian de segunda-feira, Austin, que representou sua sede em West Midlands desde 2005, acrescentou que “uma minoria de pessoas” sob a liderança de Corbyn “vai além das opiniões legítimas e apaixonadas sobre a situação dos palestinos e cair no anti-semitismo ”.

Ele acrescentou: “Mas para outros é muito mais fundamental, seja sobre as tolices de Ken Livingstone sobre Adolf Hitler, legitimando o mito de que os judeus eram os principais financiadores do tráfico de escravos, ou comparações ultrajantes entre as ações de Israel e os crimes do Nazis.

“Os deputados judeus – particularmente as mulheres – foram submetidos ao abuso mais horrendo”.

O Comitê Executivo Nacional governamental (NEC) do Partido Trabalhista não incluiu em seu novo código de conduta a definição completa de antissemitismo – incluindo exemplos ilustrativos – estabelecida pela IHRA.

Embora o código endosse explicitamente a definição de antissemitismo em funcionamento da IHRA e as listas de comportamentos que podem ser considerados como anti-semitas, palavra por palavra, do próprio documento da organização internacional, omite quatro exemplos:

– Acusar o povo judeu de ser mais leal a Israel do que seu país de origem;

– Afirmando que a existência de Israel como um estado é um esforço racista;

– Exigir padrões mais altos de comportamento de Israel do que outras nações; e

– Comparando as políticas israelenses contemporâneas com as dos nazistas.

Os trabalhistas insistiram que os exemplos são cobertos pelo novo código.

Ms van der Zyl disse que os últimos dias foram “totalmente vergonhosos para o partido”.

Ela acrescentou: “Em 2018, o Partido Trabalhista não é apenas um grupo com níveis extravagantes de tolerância ao anti-semitismo, mas um que deliberadamente obstrui medidas para combater o ódio e pune aqueles que se manifestam contra ele.”

Falando na Westminster Hour da Rádio 4, Leslie disse que Austin estava “absolutamente” correto em expressar suas preocupações. “É para nossa vergonha coletiva que isso ainda está se arrastando mês após mês”, disse ele. “Certamente não está em meu nome e claramente não está no nome de Ian Austin.”

Um porta-voz do Partido Trabalhista disse que Corbyn e o partido estavam “totalmente comprometidos com o apoio, defesa e celebração da comunidade judaica e sua organização”.

Toda essa controvérsia acerca de um pretenso “antisemitismo” de Corbyn só pode iludir os mais desavisados, pois não passa, evidentemente, de uma tentativa direitista de criar obstáculo ao crescimento da ala mais à esquerda do partido trabalhista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas