Vacinação obrigatória?
A esquerda sai a campo para referendar a política nazista da direita: retirar os direitos democráticos da população e fazer a chamada “imunização compulsória”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Revista Veja
Matéria: Senado arquiva CPI do STF.
Geral do Plenário do STF
Foto: Cristiano Mariz
Data: 13/02/2019
Local: Congresso Nacional - Brasília - DF
A esquerda cai em falencia apoiando a decisão ditatorial do STF | Foto: Reprodução

O Supremo Tribunal Federal aprovou na última sexta-feira, 18/12, a imunização compulsória da população. Seguindo o rito antidemocrático da instituição altamente reacionária, a maioria do STF votou pela obrigatoriedade da vacinação contra o novo coronavírus.

Trata-se de uma decisão retrógada. Em vez de convencer, se indispõe com uma massa de pessoas que, devido suas próprias convicções, tem desconfiança e até mesmo se recusam a colocar no seu corpo a devida substancia. Mesmo que até mesmo na moderada “Carta dos Direitos Humanos”, redigida pela Organização das Nações Unidas, proíba a injeção em pessoas de substancias que não querem em seu corpo, qualificando como uma espécie de tortura, parte da esquerda, incluindo Boulos e a cúpula do PCdoB, apoiam a decisão medieval e arbitrária do STF. 

A votação no STF teve sete votos a um, mostrando a alinhamento do órgão para realizar o feito, e ocorreu antes mesmo de um plano de vacinação fosse de fato aprovado pelo governo federal, o que é de se causar estranheza a qualquer ouvinte. Isto é, mesmo sem vacina, ela se tornou obrigatória. Aqui fica claro que o interesse do Supremo não é, de fato, vacinar a população e por fim na pandemia que assola e mutila os brasileiros, principalmente a massa de trabalhadores, mas o seu interesse é, de praxe, a repressão dessa mesma massa de trabalhadores.  

Segundo o Supremo, a vacinação forçada seria ilegal, então eles pretendem obrigar a vacinação por outros meios. Em um jogo de palavras rasteiro, o STF acabou aprovando aquilo que eles chamaram de ilegalidade; e que de fato constitui em uma aberração jurídica. Retirou o “forçoso” por “obrigatório” o que, em substancia, significa a mesma coisa: um dever de realizar determinado ato. Só que substituiu os meios repressivos tradicionais, que seria a polícia e o aparato repressivo para fazer a vacinação e se utilizou de um método extremamente reacionário. O método é de retirar, descaradamente, direitos básicos e fundamentais da população. A determinação do STF é de retirar daqueles que não forem vacinados o direito de ir-e-vir restringir o direito do indivíduo de frequentar lugares públicos, uma cláusula pétrea da constituição; que não poderia ser modificada, mas que não é levada em consideração nunca pelo STF. A outra restrição é proibir o direito a assistência social por aqueles que não forem vacinados; Bolsa Família, Auxílio Emergencial, todos. 

Isto é, para não “forçar” as pessoas a tomarem a vacina, o STF quer impor seja pela retirada de direitos fundamentais daquele que não a tomarem.

Qualquer pessoa ingênua ou desorientada,  poderia pensar que o STF está tendo o “supremo” ato de civilidade de garantir a vacinação das pessoas. O que é até forçar um pouco a interpretação, já que esse é o órgão que referendou e coordenou o golpe de Estado de 2016, prendeu Lula e repetia como um papagaio que estava tudo “funcionando normalmente” quando se elegeu o fascista Bolsonaro. Até porque, mesmo se fossemos ahistóricos e não considerássemos esses grandes acontecimentos que levaram o País, definir a obrigatoriedade da vacina antes mesmo de um plano de vacinação é escancarar que esse ato do STF tem como objetivo único e exclusivamente a repressão. E está sendo referendado pela esquerda. 

O solista Guilherme Boulos, por exemplo, entra nessa discussão com a mesma fraseologia e sofisma que faz o STF, contrapondo os “direitos individuais” aos “direitos coletivos”, dizendo que o segundo é mais importante já que seria “social”. Um sofisma do STF, uma ignorância, supomos, de Boulos. Os “direitos individuais” que Boulos quer suprimir é o que torna um Estado democrático de direito como tal. Sem esses direitos, não há nenhuma espécie de direito coletivo. O que há, na verdade, é uma ditadura escancarada. E para ser “contra” a posição maluca de Bolsonaro, que não quer vacina nem pra si mesmo nem pra ninguém, Boulos se coloca, como sempre, a serviço da política da direita.   

O PCdoB vai um pouco mais longe, e para referendar a política da direita golpista, postou um vídeo nas suas redes sociais do cantor Chico Cesar, que diz, literalmente, que quem não quiser a vacina que “tome cloroquina”, em referência ao remédio que Bolsonaro dizia no início da pandemia combater o vírus, claro que sem nenhuma correspondência na realidade. O que é uma manifestação mais de arrogância da pequena-burguesia bem pensante do que artística propriamente, uma maneira esnobe de dizer que as pessoas que tem convicções outras senão as suas seriam “gados”.    

A direita golpista está, nessa “guerra da vacina”, retirando os direitos mais fundamentais do povo e a esquerda referendando essa política nazista. Nenhum desses grupos se propôs a orientar uma política verdadeiramente democrática, com uma campanha de convencimento, exigir a vacina como um direito da população para pôr fim a pandemia, um controle rígido do poder público para que a vacina chegue a cada indivíduo que queira ser vacinado. A única política seguida pela esquerda pequeno-burguesa é a da repressão e do escárnio.   

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas