A continuidade do golpe
Ao contrário do que muitos apregoam, o golpe ainda está em marcha; não só em ritmo acelerado, como em profundidade.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
1593019938818967
Frente Amplíssima | Foto: Reprodução

Ao contrário do que muitos apregoam, o golpe ainda está em marcha; não só em ritmo acelerado, como em profundidade. Uma análise política deve leva em conta a totalidade, isto é, deve buscar compreender a movimentação das peças do quebra-cabeças de maneira integrada, articulando-se umas com as outras. Desta forma, algumas conclusões elementares podem ser tiradas da conjuntura política: o golpe de 2016, a fraude das eleições em 2018 e a Frente Ampla, são elementos que atuam em conjunto; em suma – são meios que interagem de forma dialética com a finalidade de se construir uma tese: o avanço da direita e da extrema-direita sobre os direitos democráticos da classe operária.

Dadas as condições em que a direita derrubou o governo de Dilma Rousseff em 2016, era inevitável que as contradições surgissem em meio ao desenvolvimento do regime golpista. O cálculo feito pela burguesia não foi feito na régua, mas no olho. A polarização política fez com que a extrema-direita tomasse a frente da direita tradicional e a alijasse. Abriu-se, então, uma crise interna entre os diversos setores da burguesia. E agora, qual medida os setores da direita tradicional poderiam adotar para resgatar o poder político? A campanha contra o PT, nitidamente, abriu espaço para o crescimento da extrema-direita, enquanto que os setores da direita e do centrão ficaram à deriva.

A tática não é nova e nem adotada de maneira isolada, assim como o golpe, ela circunda o campo de atuação da burguesia em torno da volta ao poder. O que nos espanta, contudo, é o fato do radar da esquerda não detectar essa ação inimiga. Ora, obviamente uma coligação contendo apenas partidos burgueses não seria capaz de avançar com a proposta de “restabelecimento democrático”. Nessas condições, a burguesia é obrigada à atuar nos limites democráticos que lhe são impostos. Se num extremo a extrema-direita atua impondo um regime de força, no centro do espectro político a burguesia trata de atrair a esquerda para não perder completamente o controle político. Eis que surge a Frente Ampla, uma tática que permite a continuação do golpe, porém servido em pratos requentados dos setores golpistas que, outrora, atuaram contra os direitos democráticos da população. A política não é uma equação aritmética, mas uma resultante das forças sociais em disputa. Sendo assim, não é preciso muito esforço para entender do que se trata. Seria absurdo crer que os setores da direita que deram o golpe passassem a defender os direitos democráticos da população.

Embora essa situação reflita claramente o desenvolvimento político e a necessidade de setores da direita em se restabelecerem no poder, boa parte da esquerda considera a Frente Ampla como um raio em meio ao céu azul. Isso pode ser observado da seguinte forma: quando os setores de esquerda apresentam a Frente Ampla, eles não falam que é parte do golpe, pois seria incongruente. Consequentemente, a figura de Bolsonaro aparece dissociada dos golpistas. Sem embargo, essa manobra de não mostrar os acontecimentos de conjunto possibilita que as pessoas sejam ludibriadas. Se antes a burguesia considerava Ciro Gomes capaz de atrair setores de esquerda, é evidente que a evolução dos acontecimentos tem exigido uma figura mais à esquerda que o oportunista do PDT. Boulos, a rigor, foi o elemento de esquerda que mais diretamente se somou e apoiou a iniciativa da Frente Ampla. O fato é que ele foi a público sendo o representante da esquerda nacional, uma espécie de avalista de esquerda dos direitistas que estavam na Frente Ampla. Evidentemente, Boulos não ocupa papel secundário; muito pelo contrário – ele é uma peça central de toda operação política.

Para as pessoas que acompanham a situação política, é notório que a Frente Ampla é uma nova etapa da situação que ocorre na sequencia ao golpe de 2016. A função da Frente Ampla é atrair o conjunto da esquerda – em particular o PT, para apoiar um candidato golpista nas eleições de 2022 e consolidar o golpe de 2016. O Bolsonaro era um estepe, foi chamado em cima da hora para ser o candidato, e, como pode ser visto – é um candidato problemático. Com Bolsonaro no governo, um setor da política burguesa fica excluído. Essa situação, por sua vez, gera um desconforto com os setores da burguesia. O desenvolvimento dessa situação se dá em torno da ideia de que Bolsonaro não deve sair. O bloco fundamental da burguesia que dirige o país desde o golpe de 64, quer a manutenção de Bolsonaro. A manobra da Frente Ampla não é para lutar contra Bolsonaro, é uma articulação com vistas a uma futura eleição, onde o bloco que hoje é dirigido por bolsonaro seria dirigido por DEM, PSDB, MDB com a participação de Bolsonaro que sempre esteve ai. Se é assim, Boulos cumpre papel fundamental para dar legitimidade a toda essa manobra política cuja função é dar continuidade ao golpe de 2016, ou seja – dar uma legitimidade de esquerda.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas