2º turno
Apoio de abutres como Ciro Gomes à candidatura de João Campos escancara os interesses da burguesia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
dino ciro
Flávio Dino e Ciro Gomes | Foto: JF DIORIO/ESTADAO

A operação Guilherme Boulos, promovida pela burguesia para dar uma cara esquerdista a uma massa falida de partidos e figuras da direita, ancora-se na tese de que agora seria a hora para uma “unidade da esquerda”. Tal “unidade”, contudo, não passa de uma fraude: enquanto a esquerda pequeno-burguesa se esquivou de todas as maneiras de formar uma unidade em torno da luta pelo Fora Bolsonaro, também se reservou a apoiar uma candidatura da esquerda tão somente quando a burguesia lhe deu permissão e quando a “esquerda” a ser apoiada é do agrado da direita.

Uma comparação entre os caso de São Paulo, Rio de Janeiro e Recife deixa isso mais do que claro.

Em São Paulo, desde o início da campanha eleitoral, havia uma pressão para que toda a esquerda apoiasse a candidatura de Guilherme Boulos, do PSOL. Essa pressão, contudo, não vinha dos céus, mas sim da burguesia: dos intelectuais mais ligados à classe dominante, como Caetano Veloso; de políticos da ala direita da esquerda nacional, como Tarso Genro, e, cada vez mais, da própria imprensa capitalista, como é o caso de O Estado de São Paulo e da Revista Veja. O argumento seria o de que a candidatura de Boulos seria mais “competitiva”, o que não corresponde nem de longe à realidade. Contudo, no Rio de Janeiro, a candidata do PT, Benedita da Silva, era, essa sim, a mais competitiva candidata da esquerda. Como a burguesia não tinha interesse em levar o PT ao segundo turno, não houve pressão para que o PSOL e os demais partidos de esquerda lhe apoiassem. Conclusão: se a “unidade da esquerda” servir para apoiar um político burguês direitista que irá impedir o desenvolvimento de uma candidatura mais combativa, haverá unidade. Se a unidade servir para fortalecer o PT, não haverá unidade.

No caso do Recife, essa regra aparece sendo aplicada com toda a sua força. A capital pernambucana é uma das duas únicas onde o PT chegou ao segundo turno. E mais do que isso: onde uma candidatura apoiada pela base e ligada ao ex-presidente Lula chegou ao segundo turno. Uma candidatura, inclusive, que não precisaria comprovar a sua força: enquanto Guilherme Boulos foi fabricado e impulsionado pela Folha de S.Paulo, que garantiu sua escolha como candidato a prefeito antes mesmo da convenção do PSOL acontecer, Marília Arraes teve de se impor dentro do PT em meio a uma verdadeira guerra interna contra a ala direita do partido, que queria submeter-se – uma vez mais – ao PSB.

Enquanto um movimento fomentado pela burguesia — e distante de qualquer movimento real por parte dos trabalhadores — pressionava a esquerda e até setores da direita a apoiar Guilherme Boulos, Marília Arraes foi atacada por todos os lados, inclusive por setores de seu próprio partido, durante a campanha. Se chegou ao segundo turno apesar de toda a sabotagem, foi capaz, portanto, de provar que, de um ponto de vista puramente eleitoral, o apoio a sua candidatura seria um investimento muito mais confiável do que o apoio em um candidato como Boulos.

Apesar de todas essas considerações, não há uma unidade em torno da candidatura de Marília Arraes. E o motivo? Ora, justamente porque a burguesia não quer impulsionar a sua candidatura. Por mais moderada que possa ser, a vitória eleitoral de Marília Arraes não deixa de ser uma vitória da ala lulista do PT, o que significa uma derrota, em alguma medida, para a burguesia, que está tentando transformar o PT em um partido direitista e sem ligações com o movimento operário, como é o caso do PSOL. Neste sentido, diante do interesse em sabotar o PT — e, sobretudo, sua ala lulista —, a burguesia está incentivando a unidade em torno do adversário do PT: João Campos (PSB).

Já no primeiro turno, a coligação de João Campos reunia o PCdoB, o PSB, o PDT e a Rede. Embora apenas o PCdoB seja propriamente um partido de esquerda, os demais partidos podem ser considerados como uma “ala esquerda” dos partidos burgueses. Isto é, partidos que a burguesia utiliza para intermediar seus interesses com os interesses dos partidos da esquerda. Não é à toa, portanto, que, em São Paulo, o PSB, a Rede e o PDT ingressaram de cabeça na candidatura de Guilherme Boulos. O mesmo pode ser dito sobre a candidatura de Manuela D’Ávila (PCdoB-RS). O ingresso desses partidos são, no fim das contas, uma garantia de que a burguesia irá controlar diretamente essas candidaturas.

A candidatura de Marília Arraes, por outro lado, não contou com o apoio de qualquer desses partidos. Partidos como a UP e o PCB, que apoiam Boulos desde o primeiro turno, lançaram candidatura própria. No segundo turno, apoiaram timidamente Marília Arraes, sem qualquer envolvimento real com sua candidatura. No caso de Guilherme Boulos, vale lembrar que o youtuber do PCB, Jones Manoel, viajou até São Paulo para fazer campanha para o PSOL, tamanha sua empolgação com a “frente ampla”.

Não bastasse toda a sabotagem da esquerda à candidatura de Marília Arraes, acontecimentos mais recentes ajudam a desnudar ainda mais a farsa da “frente ampla”: não existe uma unidade nestas eleições para derrotar o bolsonarismo, mas apenas para derrotar o setor com maior potencial eleitoral para combater o bolsonarismo: o PT lulista.

Na reta final do segundo turno das eleições municipais, Ciro “Coca Cola” Gomes, o vigarista que apoiou a privatização da água em favor da Coca Cola e da Nestlé, foi pessoalmente até Recife para fazer campanha para o PSB. Flávio Dino, governador do Maranhão pelo PCdoB, não chegou a viajar, mas gravou vídeo para apoiar João Campos. Seguindo o mesmo caminho, Marina Silva, principal dirigente da Rede, também gravou depoimento em defesa da candidatura de João Campos.

Os militantes sinceros da esquerda, bem como a classe operária e os demais explorados, não devem ceder à chantagem da “frente ampla”, que é apenas uma farsa para submeter a esquerda aos interesses dos inimigos do povo. É preciso combater duramente essa política e lutar por uma unidade nas ruas de todos os explorados pelo Fora Bolsonaro e Lula presidente.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas