BRAZIL-POLITICS-CORRUPTION-LULA DA SILVA

Em todos os sábados, às 11h30, com transmissão direto do auditório do Centro Cultural Benjamin Péret em São Paulo, o Partido da Causa Operária abre as suas portas para o público em geral, com um programa apresentado pelo seu presidente nacional, Rui Costa Pimenta, e intitulado de Análise Política da Semana, objetivando, lançar um olhar sobre os acontecimentos da semana, se utilizando, para tanto, de um método baseado no materialismo histórico e dialético, de Karl Marx, e que tem, por isso mesmo, como protagonismo, a luta de classe travada no cenário político e social no Brasil e no mundo.

A seguir, é publicado um momento da análise que fez no sábado do dia 8 de junho de 2019, e que nos elucida o que se deve fazer diante o governo Bolsonaro. Vejamos:

(…) Bom, isso me leva à entrevista que eu vi, e eu achei muito negativo o que eu vi, e sou obrigado a criticar, embora nós estejamos aqui numa campanha intensa pela liberdade do Lula, mas eu acho que nós temos que fazer aqui uma distinção que normalmente as pessoas não fazem: para lutar pela liberdade do Lula você não precisa concordar com o Lula. São dois problemas políticos. Como diria a grande filósofo Vicente Mateus: uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa! Quer dizer que a opinião do Lula sobre a política é uma coisa, e a luta pela liberdade do Lula é outra coisa.

O Lula na entrevista falou o seguinte, falou duas coisas que me surpreenderam e que é necessário criticar, que eu acho que é grave. Não vou atribuir isso a nenhuma circunstância, porque eu não sei quais são as circunstâncias. Foi na entrevista do DCM. Ele falou o seguinte: primeiro que o Bolsonaro foi eleito democraticamente e não foi contestado, a eleição dele não foi contestada. Bom, primeiro eu não sei qual é a ideia que o Lula tem sobre isto, mas o Bolsonaro não foi eleito democraticamente. A prova de que ele não foi eleito democraticamente, curiosamente, é o próprio Lula. Uma eleição em que você, usando de métodos absolutamente ilegais, embora que esses métodos ilegais sejam feitos pela autoridade do Estado, para suprimir a pessoa que está na frente das pesquisas para ganhar a pessoa que está em segundo lugar, eu não sei quais são exatamente os parâmetros para comparação, mas no meu pequeno conhecimento do mundo, isso é antidemocrático até a medula dos ossos. É uma fraude eleitoral! É um crime contra a população! É um crime contra a vontade popular, um atentado contra todos os direitos democráticos de todos os brasileiros e não só do Lula.

Porque aqui nós temos uma relação que é o seguinte: o Lula se lançou candidato e milhões de pessoas queriam votar nele. Então, ele que se lançou candidato, teve os direitos caçados porque não pôde ser candidato, e os outros, que queriam votar nele, tiveram os seus direitos caçados porque não puderam votar no candidato que escolheram. É um atentado contra uma quantidade gigantesca da população. Em última instância, é um atentado contra os direitos de toda a população, porque, mesmo que as pessoas quisessem votar em outro candidato, se supõe que, para participar das eleições, as pessoas queiram que a eleição tenha uma certa isenção, uma certa igualdade de condições. Qual é o sentido de você participar de uma eleição, vamos supor que você votasse ali no Geraldo Alkmin, qual o sentido de você participar da eleição se o candidato que vai ganhar é definido pelo tribunal? Não tem sentido nenhum. É uma farsa!

Então, eu sou obrigado a discordar do Lula nesse ponto da entrevista dele, e que a eleição não foi minimamente democrática, que a eleição foi fraudulenta, e que por isso, a população brasileira tem todo o direito de exigir o fora Bolsonaro. Ninguém é obrigado a aceitar praticas fraudulentas, ilegais, criminosas, e ditatorial do Estado. Ninguém é obrigado! É uma bobagem falar que o cidadão que mora em uma comunidade do Rio de Janeiro, onde o governador manda a polícia atirar na comunidade de um helicóptero, o cidadão tem que levar tiro e tem que ir num tribunal do Rio de Janeiro, onde ele vai encontrar um juiz parecido com o Bretas, e ficar esperando a decisão daquele tribunal. É uma bobagem isso daí! É uma infantilidade! As pessoas tem que se organizar independentemente deste tribunal, porque elas sabem que o tribunal não vai atende-las. Elas têm que se opor ao poder público, porque elas sabem que o poder público é uma ditadura. Que pessoas que atiram em pessoas, sejam quem forem essas pessoas todas, do alto de um helicóptero no chão, são criminosos por definição. Eu já falei aqui, nem na guerra isso daí é uma coisa legal. Você bombardear a casa de uma pessoa numa guerra é crime de guerra. É isso que a polícia do Rio de Janeiro está fazendo.

Lógico que os países ditos democráticos, nas várias guerras que eles promovem em terras democráticas é lógico, quando morrem milhões de pessoas, eles falam que não, eles falam que é democrático você bombardear. Eles escondem um pouquinho o bombardeio, porque, mesmo falando que é democrático, as pessoas ficam horrorizadas de ver aviões lá do alto do céu bombardeando a casa de uma família no chão. Todo mundo fica horrorizado com isso porque é um horror, e é um crime também você fazer isso daí. Mas isso daí, por qualquer definição é criminoso. Se é criminoso numa guerra que é um país A contra um país B, você imagina isso dentro de um mesmo país onde o poder público faz isso contra uma população. Agora, você vai exigir da população que aceite isso daí até a eleição de 2022, e vote em outro candidato que não seja o Wetzel?! Uma eleição, inclusive, que todo mundo sabe que não é democrática?! Isso daí é um conto da carochinha! Infelizmente não dá para concordar com isso! Não dá para concordar minimamente com isso!

Bolsonaro não é um presidente eleito democraticamente! Não é um presidente legítimo! Ele é produto da maior fraude eleitoral que o Brasil já viu até hoje!!!”

No link abaixo, você poderá conferir o áudio gravado e publicado acima.