Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
zzzzinte1A supporter of Venezuelan president Nicolas Maduro holds poster of Uncle Sam to protest against the United States, during a demonstration in Caracas on March 12, 2015. The European Parliament called on Venezuela Thursday to release students and opposition figures
|

A crise na Venezuela leva algum tempo sendo uma realidade e cada dia se agrava mais. Hiper inflação, desabastecimento, migração massiva, racionamento, distúrbios e uma criminalidade altíssima.

Uma crise econômica que naturalmente  também é política. Tivemos recentemente o episódio da autoproclamação de um dos líderes da oposição e marionete dos imperialistas, Juan Guaidó, como presidente interino do País. Sem que tenha havido eleições nem nada, simplesmente saiu, se pôs diante de um pequeno grupo e disse que agora era o presidente; assim de fácil e assim de incrível.

Alguns setores atrasados da esquerda dentro da Venezuela e fora o apoiam – porque a crise por lá já se torna praticamente insustentável – e intitulam o presidente legítimo, Nicolás Maduro, como um autoritário e ainda não reconhecem as verdadeiras intenções dos imperialistas para com a Republica Bolivariana, na prática servindo de apoio ao imperialismo contra o país caribenho. Fora, obviamente, a direita golpista financiada pelos grandes monopólios.

E foi a lacuna para os EUA reconhecerem Guaidó como presidente e ainda “oferecer ajuda humanitária”. Será por que eles são bonzinhos e não aceitam regimes autoritários e não toleram que se sofram de pobreza e fome e por que defendem os direitos humanos em todo o mundo?

Óbvio que não, afinal os Estados Unidos se relacionam bem com muitos regimes autoritários como Arábia Saudita, Omã, Catar, Jordânia, Egito e muitos outros. Enquanto a pobreza e a fome nestes momentos no Iêmen são brutais, e que as próprias Nações Unidas consideram ser uma das piores situações dos últimos 100 anos.

E tudo provocado pelos ataques e bloqueios aéreos, terrestres e marítimos da Arábia Saudita e a coalizão militar que encabeça com total apoio dos EUA. No entanto, para os Estados Unidos a pobreza, fome, respeito aos direitos humanos verdadeiramente não são importantes. Até porque a maioria destes governos ditatoriais são seus amigos a começar pela Arábia Saudita que pratica pena de morte, tortura, esquarteja jornalistas em embaixadas e etc… Conclusão que o intuito dos Estados Unidos ao enviar uma “ajuda humanitária” à Venezuela é uma grande farsa. Chega a ser assustadora a obsessão deles pela República Bolivariana e surpreendentemente desonesta.

A Venezuela é o país do mundo com as maiores reservas provadas de petróleo. E em 1908 sofreu seu primeiro golpe de Estado com apoio norte-americano e houve enormes concessões às empresas petroleiras estrangeiras, uma delas foi a Standard Oil (as atuais ExxonMobil e Chevron). E por muitos anos os imperialistas dominaram a comercialização do ouro negro venezuelano.

Até que em 1998 Hugo Chávez  chega ao poder e começa a questionar os acordos anteriores de monopolização do petróleo venezuelano por estrangeiros, decidindo nacionalizá-lo de maneira séria. Porque havia uma lei desde 1976 que o nacionalizava, contudo era só um documento, uma vez que, na prática, não funcionava e o petróleo era sugados pelos grandes monopólios.

Os EUA se sentiu muito atacados e para agravar as situações diplomáticas Chávez deu muita força às organizações latino-americanos como a Celac ou a Unasul, nas quais o objetivo era a aproximação entre as nações latino-americanas.

Primeiro com Chávez e agora com Maduro: a relação absolutamente obediente com os Imperialistas chegou ao fim. O que acabou gerando uma série de sanções que consistem em bloqueio de ativos do estrangeiro, negação de vistos, embargos e bloqueios a financiamento de mercados internacionais e transações estrangeiras. Sanções e bloqueios que, longe de ajudar a população venezuelana, a deixa mais pobre e mais vulnerável. E de maneira cínica agora decidem enviar a tal escabrosa “ajuda humanitária”, que segundo o governo venezuelano só cobriria 6% dos alimentos distribuídos em um único dia pelos Comitês Locais de Abastecimento e Produção (CLAP).

Maduro qualifica esta ajuda como migalhas que oferece a direita, o império norte-americano e a oligarquia colombiana, cujo país sofre um processo de miséria crescente mas que alia-se como uma bucha de canhão do imperialismo para “ajudar humanitariamente” a Venezuela.

Em contrapartida, a Rússia tem se mostrado uma fiel aliada e ao governo bolivariano enviou 300 toneladas de medicamentos de auto custo. Maduro afirma que tem feito importantes acordos de cooperação com a Rússia e outros aliados, como China, Turquia, Índia, Cuba e Irã.

Os olhos do mundo hoje e amanhã estão na fronteira entre Venezuela e Brasil e Venezuela e Colômbia, onde acontecerá o espetáculo propagandístico promovido pelo imperialismo “Venezuela Aid Live” dirigido pelo magnata britânico Richard Branson e que contará com os escatológicos presidentes do Chile (Sebastian Piñera) e da Colômbia (Ivan Duque).

A verdade é que esta ajuda humanitária imperialista é uma farsa, a intenção real é invadir militarmente a nossa irmã Venezuela e voltar a controlar as riquezas do país.

A Venezuela não necessita desta ajuda humanitária. A Venezuela necessita do fim do bloqueio econômico e do boicote da burguesia, precisa que todos os trabalhadores latino-americanos se mobilizem para impedir a invasão imperialista.

Fora imperialismo da Venezuela!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas