Ideologia
O empreendedorismo negro é uma ideologia difundida pela burguesia para passar a ideia de que a integração dos negros na sociedade capitalista dependeria de seus próprios esforços.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
adriana-barbosa-credito-renato-stockler
Adriana Moreira, uma propagadora da falácia do empreendedorismo negro. Foto: Reprodução. |

A burguesia desenvolve estratégias ideológicas para passar a ilusão de que a sociedade capitalista é inclusiva. Bastaria que os indivíduos se esforçassem para atingir a tão sonhada prosperidade. A ascensão social estaria aberta a todos, independente de raça, gênero e origem social. A meritocracia seria a uma lei básica aplicável para todos.

Nesse esforço de ideológico surgiu a falácia do “empreendedorismo negro”. Segundo os representantes da burguesia, os negros teriam que ter criatividade para tornarem-se empreendedores e, com isso, ascenderem socialmente. Adriana Moreira, criadora da Feira Preta, afirma que o empreendedorismo faz a população negra emergir após 132 anos da abolição da escravatura no país. Ela coloca-se a si mesmo como um exemplo de empreendedora negra, uma prova de que basta ter as ideias corretas e esforçar-se para encontrar seu lugar ao sol na sociedade capitalista.

Quem propaga essa ideia  do “empreendedorismo negro” é um inimigo do povo negro em seu conjunto. Não há qualquer inclusão social dos negros na sociedade capitalista, com ou sem empreendedorismo, uma vez que os negros são a maioria dos desempregados, subempregados e terceirizados; lotam as celas das penitenciárias, verdadeiros centros de tortura e extermínio; ocupam os postos de trabalho de menor remuneração; são sistematicamente assassinados pela polícia militar; sofrem com todos os tipos de preconceito e discriminação; são confinados nas periferias das grandes cidades, onde falta a infraestrutura social mais básica para a vida; sofrem com evasão escolar e trabalho infantil; experimentam forte repressão estatal aos seus costumes, cultura e religião. Frequentemente, os governos  até mesmo propõem leis que buscam apagar as tradições históricas de luta do povo negro.

Essas iniciativas de tipo empresarial querem semear a ilusão de que os negros terão – um dia e por seus próprios esforços – lugar ao sol na sociedade capitalista. O que não é verdade. A ideologia do empreendedorismo busca maquiar a realidade de subemprego que atinge o povo negro. A demagogia cultural salta aos olhos, quando Adriana refere-se ao “consumidor negro” que deve criar uma forma de mercantilizar sua própria cultura, isto é, transformá-la em uma mercadoria para compra e venda no mercado. Caberia aos negros encontrar o elemento cultural de maior valor de troca do momento.

Os negros precisam travar uma luta política contra a sociedade capitalista e não buscar uma adaptação, ou seja, um lugar dentro dessa sociedade marcada pelo racismo, exploração e opressão. O empreendedorismo negro é uma estratégia pérfida para esconder a realidade.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas