Bloqueio do Twitter
Setores da esquerda nacional convidam os monopólios das redes sociais a impor sua censura no Brasil
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Censura-na-web-Twitter-irá-decidir-o-que-é-“conteúdo-manipulado”
Twitter | Foto: Reprodução

O deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ), conhecido por apoiar a intervenção da polícia militar nos morros cariocas e por receber o apoio da Rede Globo nas eleições municipais de 2016, veio às redes sociais na última semana para defender o criminoso bloqueio do perfil de Donald Trump no Twitter:

A declaração é clara. Para Freixo, um monopólio censurar um presidente da República, ainda mais do País mais importante do mundo, é algo a se comemorar. E, no que depender dele, o mesmo deveria acontecer com o presidente ilegítimo Jair Bolsonaro.

A base desse tipo de argumento é que Trump seria um fascista, e que contra o “fascismo”, qualquer coisa seria válida. Essa concepção, contudo, é absurda.

Não existe uma luta contra o fascismo em abstrato. O “vale tudo” sempre é a luta entre um determinado setor da sociedade contra outro. No caso do Twitter, isso é bastante simples. Trump não está sendo combatido pela esquerda, através de uma ferramenta colocada acima da luta de classes. O presidente norte-americano foi censurado por um setor da burguesia imperialista, que resolveu sancioná-lo porque sua política é muito débil no sentido de levar adiante a política neoliberal.

A censura do Twitter, portanto, é o movimento da classe antagônica à classe operária em defesa clara dos seus interesses. Se assim é, por que haveria motivo para comemorar? Quem ganha com esse tipo de situação é o próprio Twitter e o setor que o controla: o imperialismo. E se o imperialismo é inimigo da classe operária mundial, responsável por milhares de golpes e conspirações, incluindo o golpe de Estado de 2016 no Brasil e a vitória eleitoral de Bolsonaro, a esquerda não tem coisa alguma a ganhar. Pelo contrário: quando o imperialismo quiser se voltar contra a esquerda, contará com um Twitter fortalecido, capaz de impor uma censura absoluta a qualquer setor rebelde.

Atualmente, os interesses dos setores que controlam o Twitter são os mesmos que defendem o futuro governo Biden. Isto é, o governo oficial da indústria armamentista e do mercado financeiro. Com a ditadura das redes sociais contra Donald Trump — que, embora de extrema-direita, expresse a revolta contra o regime político —, o imperialismo encontrará um terreno limpo para impor a política genocida do Partido Democrata.

O caso brasileiro conserva muitas semelhanças. Bolsonaro, embora seja um fascista, que foi apoiado circunstancialmente pela burguesia para derrotar eleitoralmente o PT, não é um governante que tenha a plena confiança do imperialismo. E, neste sentido, há um interesse em fomentar um ataque da própria burguesia a seu governo.

Mas se foi a própria burguesia — inclusive os setores mais pró-imperialistas — quem levou Bolsonaro ao poder, por que então ela estaria interessada em entregar o poder à esquerda? Evidentemente, se chegar ao momento em que a direita parta para um ataque mais direto a Bolsonaro, isso só acontecerá quando a burguesia sentir confiança suficiente em substituir Bolsonaro por outro direitista, como João Doria, Luciano Huck ou Rodrigo Maia.

A torcida de Marcelo Freixo, neste sentido, é a favor de João Doria e Luciano Huck, e não do povo brasileiro. É a chamada política da frente ampla, que busca colocar a esquerda a reboque dos setores que deram o golpe de 2016. Ao mesmo tempo em que fortalece o lixo golpista que quer se reciclar se apoiando na esquerda, Freixo ainda defende o mesmo programa do bolsonarismo: a censura e a repressão contra os inimigos do regime.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas