Do lado de Trump e Guaidó
Corrente do PSOL ataca governo e povo venezuelano, defendendo derrubada do governo legítimo que os EUA querem derrubar
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Trump x Maduro
Os presidentes dos EUA e da Venezuela - foto arquivo |

Em plena situação de ameaça efetiva por parte do governo da maior potência econômica e militar do mundo de atacar militarmente a Venezuela e/ou patrocinar um golpe de Estado contra o governo eleito pelo povo venezuelano, com o posicionamento de navios de guerra nas proximidades do País e o oferecimento de “recompensas” de dezenas de milhões de dólares pela “cabeça” do presidente e de outros dirigentes do governo desse pais vizinho e de longa tradição de solidariedade com o povo brasileiro, uma corrente de esquerda integrante do PSOL, se juntou – do ponto de vista prático – ao imperialismo e a tudo que há de mais reacionários na direita, como o bolsonarismo, para se dirigir à população venezuelana pedindo para para que ela derrube seu governo, faça o que quer Trump e todo os governos imperialistas e pró-imperialistas de todo o mundo.

Trata-se do pequeno grupo, esquerda marxista, que publicou em seu sítio eletrônico e endossou artigo publicado originalmente no dia 31 de março de 2020 no site da Corrente Marxista Internacional (CMI) – conforme eles mesmos informam – sob o título “O coronavírus na Venezuela: mais uma chicotada nas costas dos trabalhadores”.

A intensificação do ataque imperialista à Venezuela desmascara a farsa da propaganda imperialista de que o momento é de “solidariedade internacional”. Em plena evolução da pandemia do covid-19 (que tem como epicentro nesse momento os EUA e que começa a se desenvolver na região caribenha), o imperialismo não só mantém o embargo ao País (como também acontece em relação à Cuba e ao Irã, entre outros) que impede o País de ter acesso a medicamentos e equipamentos de várias partes do Mundo, como também vetou empréstimos do Fundo Monetário Internacional (FMI) ao País, que seriam destinados ao combate à epidemia. Morram! rosnam os capitalistas (de direita e de “esquerda”), longe das câmeras nas quais falam de “unidade”. A esquerda pequeno burguesa, de olhos vedados para realidade, faz coro com esses senhores.

Assim, na longa matéria, com a tradicional enrolação de dados que – na realidade – são dispostos para tentar contornar o essencial da realidade, a Esquerda Marxista e sua “corrente internacional” , fundamentalmente, se dedicam a atacar a burocracia chavista, como se pode ver em inúmeros trechos da nota, dentre os quais destacaremos alguns.

Segundo a Esquerda Marxista/PSOL, na Venezuela seria preciso “oferecer ao país uma alternativa revolucionária à atual liderança do movimento bolivariano, que se tornou uma força reacionária e burguesa”, daí a concluir que seria necessário se juntar a Trump, Guaidó, Bolsonaro e toda a direita para derrubar o governo de Nicolás Maduro e do Partido Socialista Unificado da Venezuela (PSUV), seria um passo, o que significa adotar a mesma posição que setores do PSOL e o PSTU adotaram diante do golpe no Brasil, quando defenderam – junto com a direita – o “Fora Dilma, fora todos!”.

Nessa mesma linha reacionária, a nota defende “reconstruir uma alternativa revolucionária para a Venezuela”, sem apontar o que seria essa “alternativa” abstrata em um País em que o governo tem claro apoio popular, da imensa maioria das organizações de luta dos trabalhadores e onde a única “alternativa” real, neste momento, é a direita golpista, com apoio do imperialismo. É bom lembrar que essa mesma política foi adotada por setores da esquerda também na Síria, o que significou apoiar o imperialismo contra o governo nacionalista burguês de Bashar Assad que contrariava interesses do imperialismo na região.

Nessa mesma direção, a nota  afirma de forma genérica que o governo “tomou medidas cada vez mais a favor da burguesia e do capital imperialista e contra os interesses dos trabalhadores, camponeses e massas oprimidas” e faz em contrapartida, apenas de passagem uma crítica ao governo Trump, em relação aos seus atos de 2017, afirmando que suas sanções em 2017 “formaram o clímax dessa série de eventos, quase destruindo nosso sistema de saúde e as conquistas relacionadas ao período Chávez. Essas sanções impediram o país de adquirir remédios e suprimentos médicos do exterior, causando um golpe mortal em nossos hospitais e centros de saúde já sobrecarregados“.

Mesmo assinalando esse “golpe mortal”, o centro da nota é atacar o governo que luta contra o golpe do imperialismo afirmando que ele “tem atacado a classe trabalhadora e implementado políticas de austeridade burguesa há um ano e meio. Dessa forma, espera conter a crise e, ao mesmo tempo, manter-se no poder“.

Tudo isso no momento em que a Venezuela,  está na iminência de ser invadida pelos EUA e está empreendendo uma série de esforços no combate ao coronavírus, adotando medidas que nenhum país imperialista (com centenas de vezes mais recursos) adotou, como a suspensão de demissões, o aumento do salário mínimo, a realização de testes massivos, internação dos doentes etc.

No final da Nota, fica ainda mais evidente o caráter reacionário dessa esquerda e sua covardia política.

Após expressar apoio à derrubada do governo, tal como pretendido por Trump, Bolsonaro e Cia. o grupo-irmão da Esquerda Marxista/PSOL (e quem sabe ela mesma que endossa a nota) afirma estar entrando em “férias”, como faz a maioria da esquerda no Brasil que está fechando os Sindicatos, sedes partidárias e se limitando a se pronunciar na imprensa capitalista, no parlamento e na internet em apoio aos “salvadores da pátria”: o Ministério da Saúde chefiado pelo DEM e os governadores estaduais, liderados pelos fascistas Dória (PSDB), Witzel e Cia.

Assim a nota anuncia:

Após o período de quarentena, quando a vida social do país voltar ao “normal” (embora tenha sido uma normalidade bastante severa e anormal nos últimos anos), devemos retomar nossos esforços para construir uma força revolucionária autônoma enraizada nas massas trabalhadoras . Não podemos esquecer, nem por um momento, esse objetivo fundamental”.

Ou seja, as palavras de agora, não são para fazer nada a não ser pregar o apoio à direita golpista – que não vai entrar de férias -. Quando o “país voltar ao normal” (se voltar), os pseudo marxistas “retomaram seus esforços…”.
Definitivamente, a classe trabalhadora da Venezuela, do Brasil e de todo o mundo não tem nada a aprender com uma esquerda reacionária como essa.
Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas