Política pequeno-burguesa
O PSTU foi o partido que expressou mais perfeitamente a política geral dos partidos pequeno-burgueses de se aliarem, mesmo que involuntariamente, a burguesia golpista
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
FHGKNA4PWYVC6WMPTO43277PJ4
Votação do Impeachment de Dilma na Câmara, segundo o PSTU Temer seria o próximo | Foto: UESLEI MARCELINO / REUTERS

A investida golpista da burguesia contra o governo do Partido dos Trabalhadores pode ser identificada mais nitidamente, como fez o Partido da Causa Operária (PCO), a partir de 2012, com a farsa do julgamento do chamado Mensalão. O PCO foi o primeiro, e durante muito tempo, o único partido a denunciar o golpe; elaborou uma política coerente com a nova situação política; frente única da esquerda e do povo para barrar o golpe da direita.

Para a esquerda pequeno-burguesa, no entanto, as manobras da grande burguesia para derrubar o governo lhes turvaram completamente a vista, não viram o golpe; e foram arrastados pela política dos golpistas; muitos juntaram-se de bom grado aos golpistas para combater o PT, crendo que, com a queda deste, sua hora chegaria.

Por oportunismo e falta de análise política séria embarcaram no barco dos golpistas; olhavam o PT apenas como um concorrente que monopolizava o “mercado” de esquerda, como um pequeno capitalista vê o grande, aos vislumbrar, na suas mentes pequeno-burguesas, o mercado que se abriria com a queda do PT de defender o golpe abertamente.

Muitas foram as teorias, se é que se pode chamar assim, as teorias para justificar a política de frente única com a burguesia que a maioria dos partidos pequeno-burgueses adotaram. Da luta interburguesa, PCB e outros, que classificava o PT como um partido da burguesia, e que se trataria tão somente a uma luta dentro bloco burguês, sem interesses para a classe trabalhadora, à tese de que o imperialismo não quer um golpe, na verdade essa posição defendia que havia uma mobilização do povo contra o governo do PT.

Destaquemos o caso do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificados (PSTU), cuja atuação reacionária, que quase destruiu o partido, rendeu ao menos momentos de gostosas risadas. Desde que a burguesia adotou o impeachment como meio fundamental de derrubar o governo, em meados do 2015, colocando em movimento uma manada de elementos de extrema-direita, os verde amarelo, como ponto de apoio, o PSTU rapidamente se alinhou a posição da burguesia e lançou a palavra de ordem pela qual ficou conhecido: Fora Dilma! Fora todos.

O PSTU foi mais radical na política de frente com a burguesia, enquanto a esquerda combatia o governo do PT, Boulos foi o grande representante desta tendência, por meio dE uma suposta luta contra o ajuste fiscal de Dilma, o PSTU já pedia a queda do governo desde o início de 2016 pelo menos, que vai se concretizar nesse mesmo ano. É certo que o PSTU também complementava sua palavra de ordem, para não parecer tão direitista, com o Fora Temer! Fora todos eles! Somente a Dilma caiu.

Essa política tem por fundamento a ideia de que o imperialismo não queria golpe no país e que a movimentação existente, não era da extrema-direita impulsionados pela burguesia, mas uma movimentação do povo contra o governo do PT e que se expressava primeiro na classe média.

Num curioso texto de abril de 2016, após o horror da votação do impeachment da Dilma no Câmara dos Deputados, intitulado: “Às ruas! Fora Dilma, fora Temer, fora todos eles!”, pode se ler:

“A classe operária e a maioria do povo querem que Dilma se vá, mas não querem que Temer, Cunha ou qualquer outro bandido deste Congresso governe. A vontade da classe trabalhadora e da maioria do povo não se expressa no Congresso Nacional, nem no bloco que defende o “Fica Dilma”, nem no que defende impeachment e “governo Temer”. Nem um, nem outro bloco representam a mudança que a classe trabalhadora, a juventude e o povo pobre exigem”.

Essa tese foi expressa embrionariamente alguns anos atrás, em 2013, por um dos principais dirigentes do partido na época, o hoje psolista Valério Arcary, num vídeo alucinante, curioso e mais dos engraçados já produzidos por toda a esquerda nacional. Nele o dirigente tranquiliza a esquerda e garante que não existe perigo de golpe, sob a justificativa de que o imperialismo não quer um golpe (o Japão não quer um golpe!) Não se sabe até hoje a fonte que passou a informação falsa ao dirigente do PSTU.

A política golpista da esquerda cobrou um alto custo, toda a esquerda que ajudou na medida de suas possibilidades teve a esconder seu passado e falseá-lo, muitos hoje apresentam-se como os maiores lutadores contra o golpe. Também para o custou caro, mas esse pelo menos não abandonou até hoje sua posição golpista. O PSTU ao longo do processo do golpe rachou em inúmeros pedaços e o próprio dirigente citado saiu do partido levando algumas centenas de militantes para formar uma corrente dentro do PSOL.

O processo do golpe de Estado no Brasil revelou como a esquerda pequeno-burguesa nacional está atrelada de maneira profunda a burguesia. Isso é expressão fraqueza da pequena burguesia brasileira, que impede seus partidos de terem uma fisionomia política mais nítida e arrojada, tornam-se muito conservadores para serem aceitos pela classe dominante, nos momentos mais críticos seu conservadorismo os leva direto a burguesias, é o que vemos se repetir agora mesmo, com a política de frente ampla, que é a continuação da frente única da esquerda pequeno-burguesa contra o PT e o que representa, ou seja a grau de desenvolvimento da estrutura sindical, operária, popular do país em troca de visibilidade, cargos e ascensão.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas