Uma confusão política
Em plena ofensiva golpista, setores da esquerda como o PSOL e Guilherme Boulos, se recusavam a chamar a luta contra o golpe e levantavam a luta contra os ajustes do governo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
protestos-mtst-18-03-2015-guilherme-boulos-body-image-1426712758
Faixa do MTST de Guilherme Boulos em 2015: confusão | Arquivo

Passados quatro anos desde que a presidenta Dilma Rousseff foi derrubada por um golpe de Estado, todos os setores da esquerda se apresentam como grandes lutadores contra o golpe e a direita. Quem não se lembra daquela época, facilmente se engana pela auto propaganda feita por setores da esquerda, que procuram se apresentar como verdadeiros heróis do combate à direita.

Mas para quem conhece a história, a coisa está muito longe desse heroísmo todo. Boa parte da esquerda se recusou a reconhecer sequer que havia uma ameaça de golpe de Estado. Mas a capitulação da esquerda pequeno-burguesa foi muito além da simples negação do golpe.

Houve quem não apenas se recusasse a acreditar no perigo de golpe, como se decidiu adotar uma política contra o governo do PT. O caso mais exemplar foi a palavra de ordem de “luta contra os ajustes de Dilma” levantada por setores como o PSOL e Guilherme Boulos.

Antes de explicar a posição dessa esquerda, é preciso lembrar que a direita já tinha deixado clara a sua política golpista – embora já desse claros sinais anteriormente – pelo menos desde o resultado das eleições de 2014.

A direita coxinha estava saindo nas ruas em manifestações artificiais impulsionadas pela imprensa golpista e os partidos da direita, pedindo o impeachment de Dilma Rousseff. Tais atos deixavam bastante claro o golpe.

Diante do óbvio perigo, a esquerda passou a articular uma contra manifestação contra a direita. À frente desse manifestação estava a CUT como grande organização de massas, sindicatos, além do MST e de partidos como o PT e o PCO.

Tais articulações esbarraram em algumas dificuldades. A principal delas estava na insistência de setores em levar adiante uma mobilização concentrada de forças contra a direita golpista. Veio de setores do PSOL e de Guilherme Boulos a política de transformar a manifestação em uma denúncia contra os ajustes fiscais de Dilma Rousseff.

Essa política era um ataque à consolidação de uma frente única de luta contra o golpe, gerando confusão em uma parcela da esquerda.

Naquele momento, Boulos e o PSOL se apoiavam na política levada pelo governo do PT que, pressionado pela ofensiva golpista, cedia terreno para a direita, abrindo espaço para uma política de ajustes e colocando como ministro da Fazenda um representante dos bancos, Joaquim Levy.

Esse foi o pretexto para que a esquerda pequeno-burguesa, liderada por Boulos, colocasse em marcha uma política confusa e diversionista. Era preciso “lutar contra os ajustes de Dilma” e não lutar contra o golpe.

Alguns setores da esquerda chegaram a dizer que o golpe não passava de “histeria” do PT para colocar o povo na rua para defender o governo, ou seja, na realidade, o golpista era o próprio PT, que inventava um golpe que não existia para angariar apoio ao governo. Outros, como Guilherme Boulos, chegou a afirmar em entrevista que o governo Dilma era “indefensável” e tinha colunas regulares na golpista Folha de S. Paulo onde defendia coisas desse tipo.

Mesmo com essa confusão política, finalmente a primeira manifestação contra o golpe foi para a rua. O conteúdo real da mobilização era a luta contra o golpe, mesmo assim, Boulos e setores do PSOL saíram nas manifestações ignorando a palavra de ordem contra o golpe e levando a crítica aos ajustes de Dilma.

Passados mais de cinco anos dessa primeira grande manifestação contra o golpe, muitos podem não compreender qual a importância do debate naquele momento. Cinicamente, ainda hoje alguns setores da esquerda tentam justificar a “luta contra os ajustes” como uma crítica à esquerda do PT. Nada poderia ser mais falso.

Diante da ofensiva golpista, que, como já dissemos, era bastante óbvia naquele momento, a política correta na esquerda era levar adiante uma luta contra o inimigo comum. Era necessário formar entre todas as organizações da esquerda uma frente única contra o golpe e a direita. A crítica à política errada do PT no governo não poderia ser substituída pela confusão na hora da mobilização real, nas ruas.

Já deveria estar claro naquele momento que os ajustes que o governo do PT tentava fazer sob pressão da direita não impediria a direita de avançar, era, isso sim, uma armadilha da direita que procurava minar cada vez mais o governo. Além disso, ficava claro que qualquer ajuste fiscal que fizesse o governo do PT pareceria uma brincadeira de criança perto da hecatombe promovida pelos golpista caso fossem bem sucedidos. Hoje, passados os governo Temer e Bolsonaro, não dá para ter nenhuma dúvida desse fato.

A palavra de ordem de luta contra o golpe era a única capaz de unificar a esquerda e estabelecer um movimento político para enfrentar a ofensiva golpista. Ao levantar o problema dos ajustes de Dilma, essa esquerda acabava se aliando com a direita no plano política e gerando confusão dentro do movimento. É como se em uma luta de trincheiras, um soldado começasse a ofender um aliado ao invés de juntar o máximo de forças para atacar o inimigo.

A esquerda pequeno-burguesa se recusava a aceitar o óbvio, e por que?

A explicação se encontra em pelo menos duas questões fundamentais: primeiro, a esquerda de classe média estava naquele momento sob influência da campanha incessante contra o PT. Essa esquerda – e até mesmo o próprio PT – chegou a acreditar que o governo era impopular, corrupto etc. Por isso, facilmente caíram nas armadilhas plantadas pela direita.

Em segundo lugar, uma parte da esquerda, em particular o PSOL e seus aliados menores como o PCB e o PSTU (esse tão radicalmente golpista que se alinhou à direita) se recusavam a sair nas ruas para lutar contra a direita e o golpe pois acreditavam que isso seria “defender o governo do PT”, ou seja, uma mobilização massiva contra o golpe atrapalharia os planos desses partidos de se apresentarem como substitutos eleitorais do PT. O comportamento do PSOL nas eleições atuais fica claro o que isso significa. O problema é que essa “concorrência” com o PT era na realidade uma busca por uma apoio nos setores da classe média pseudo esquerdista que acreditava na campanha golpista da imprensa. Basta um olhar apurado sobre o PSOL de hoje para entender que essa é exatamente a base social do partido.

Capa do jornal de abril de 2015 da corrente CST do PSOL

Várias manifestações, cada vez maiores, se sucederam contra o golpe. A palavra de ordem contra o golpe se impôs, na realidade, sempre foi majoritária entre as pessoas que saíam nas ruas. A “luta contra os ajustes” foi atropelada pela mobilização, mas serviu como um fator de confusão política, influenciando setores da esquerda pequeno-burguesa dentro do movimento.

Hoje, com o golpe consumado, Guilherme Boulos, PSOL, PCB e outros querem mostrar que foram os maiores lutadores contra a direita e, o que é ainda mais cínica, os maiores aliados de Dilma e de Lula. Quem acompanhou a história não se engana. Nas próximas partes da série falaremos sobre outra cartada divisionista de Boulos e do PSOL que serviu como fator de confusão da luta que foi a criação da Frente Povo Sem Medo, uma frente artificial para não se misturar com o PT.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas