A eleição não é festa democracia, é a festa do golpe de Estado

Urna

Existe um boato corrente na esquerda brasileira, de que este processo eleitoral, que o ativismo contra o golpe agradece que termina neste dia 28 de Outubro, seria a festa da democracia, o momento para o seu pleno direito de escolha e de influir no processo político. A festa virou pesadelo, ou melhor, virou a festa dos usurpadores de qualquer processo político democrático, virou a festa a direita golpista.

Durante esta eleição a Polícia agrediu pessoas apoiando-se no código eleitoral, o Brasil foi mergulhado numa censura que não via desde a ditadura militar, a Polícia Federal invadiu sedes do PT e PCdoB, pessoas foram perseguidas por fazer campanha pró-PT.

Debates foram escassos, no segundo turno foram inexistentes, a imprensa, como denunciado por jornalistas da Record, é orientada a defender um dos candidatos.

As universidades, território sagrado do movimento estudantil são censuradas junto com o resto brasil, não podem panfletar, discutir, pendurar faixas contra o fascismo.

A imprensa de esquerda é censurada, o Jornal Brasil de Fato teve milhares de exemplares recolhidos.

A campanha de rua era pouca, na internet também, mesmo seguindo burocráticas regras de todas as sortes, ativistas foram bloqueados pelas redes sociais e conteúdo restringido.

A esquerda pequeno-burguesa, por bem da eleição legitimou tais fraudes dizendo que seria ser candidato a ditador “denunciar como fraude as eleições”!

Agora, os prognósticos são sombrios no quadro eleitoral, a pesquisa realizada pelo Brasil 247, em conjunto com o instituto Vox Populi, mostra um empate técnico, com ambos candidatos com 50% dos votos.

As pesquisas encomendadas pela burguesia mostram 10 pontos de diferença entre um outro, haverá fraude, isto está claro, se será grande suficiente para eleger Bolsonaro, ainda será decidido.

Esta é a festa do golpe, censura, violência e fraude, um território onde a vantagem é deles. Resta ao povo tomar as ruas a partir de segunda, independentemente do que aconteça, pois será o povo que garantirá qualquer coisa para si nesta situação, qualquer governo que aí surgir, surgirá comprometido com o golpe de Estado.