Muitas Semelhanças
Crise econômica fora de controle, mais a falta de habilidade de negociar com outras esferas, são algumas das semelhanças entre os desgovernos de Bolsonaro de Collor
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Doido
Jair Messias Bolsonaro - Sem partido | Foto: Reprodução

As semelhanças entre as gestões de Fernando Collor e Jair Bolsonaro existem sob vários pontos de vista, em especial, ao observar o cenário econômico.

Com a pandemia provocada pelo novo coronavírus, obrigando o isolamento social como medida de conter mais ainda a propagação, a consequência o maior tombo na economia brasileira em 40 anos.

Projeções do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) apontam para uma contração de 9,8% no PIB entre abril e junho de 2020 em relação a janeiro e março. A maior queda trimestral nas últimas quatro décadas até então havia sido de 4,7%, no quatro trimestre de 1990. Nesta época, sob a gestão do então presidente Fernando Collor (1990-1992), a recessão se estendeu por 11 trimestres e causou perda acumulada de 8,2%. Mas ela foi seguida de um período expansivo de 12 trimestres, com crescimento de 19,4%.

Mas a retração recorde, sem dúvidas será o ano de 2020, com o Brasil sem espaço fiscal para estabilização, com informalidade e desigualdade em alta e ainda longe de ter se recuperado de sua última recessão, de 2014 a 2016, ou seja, é a primeira vez na história da nossa República, que entra um novo ciclo negativo sem ter se erguido totalmente das perdas do anterior.

Segundo a Superintendência de Estatísticas Públicas e pela área de Economia Aplicada Ibre/FGV, esse é o maior tombo de uma série inédita, que abrange os últimos 40 anos. A pesquisadora do Ibre/FGV – Luana Miranda – informa que “O cenário atual é bem mais difícil do que o de recessões anteriores por causa da tendência insustentável de crescimento da dívida pública e do déficit fiscal, recorrente há sete anos”.
Além de todos os pontos já destacados, existe o grande temor de uma segunda onde por COVID-19, o que tem deixado o mercado ainda mais pessimista.

Mas o principal de tudo, é o grande receio da burguesia, sobre a impossibilidade de honrar com a famigerada dívida pública. Dificuldade enfrentada por Collor, onde o imperialismo teve de intervir com o plano Bonds – mas que só teve prosseguimento na gestão de Itamar Franco – e agora enfrentada pelo atual presidente da República.

É notável também, a falta de habilidade de ambos em negociar com os demais poderes públicos, o que inevitavelmente, acarreta em outras crises institucionais, corroborando para o escatológico cenário econômico que vivemos hoje, e o que vivemos de 1990 a 1992.

Ambos foram eleitos com apoio da burguesia e da mídia golpista, para impedir que esquerda chegasse ao poder. Mas uma das diferenças entre estes dois péssimos governos, é que a do Sr. Jair Messias, teve a capacidade de se sair pior, uma vez que o atual “chefe” do Estado está com a sua imagem suja perante todo o mundo, tornado a situação ainda mais explosiva, com ampla possibilidade do governo ser derrubado.

E se tem uma coisa que precisa ser feita, é a derrubada deste atual desgoverno, mas diferentemente de Collor, a derrubada precisa ser de toda a chapa, uma vez que as eleições de 2018 foram um verdadeiro golpe contra a nação brasileira, onde o principal candidato à presidência da República, foi preso sem provas, dando continuidade ao golpe de 2016.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas